POR MARK WILSON

Salvar o meio ambiente é um dos maiores desafios para o design hoje em dia. Quase cem dias antes da conferência climática COP26, da ONU — na qual o mundo se reunirá para discutir ações sobre as mudanças climáticas — um dos grandes nomes do design fez um anúncio.  

Sir Jony Ive fez uma parceria com o Príncipe Charles para abrir um laboratório de design por meio do Royal College of Art de Londres. Chamado de Terra Carta Design Lab, o objetivo é trabalhar com os alunos para “criar pequenos projetos que possam ter um grande impacto na transição do mundo para um futuro sustentável”, de acordo com o comunicado.

O laboratório foi inspirado no  Terra Carta (“Carta da Terra” em latim), documento ambiental que oferece as diretrizes do plano de recuperação para 2030. Lançada no início deste ano, a carta oferece uma estrutura de inovação sustentável e planeja levantar US$ 10 bilhões em investimentos do setor privado. O laboratório está sendo financiado por investimentos da Octopus Energy, Banco de Desenvolvimento Islâmico e Amazon.

Para Ive, o laboratório é um projeto à parte de seu empreendimento comercial, o estúdio de design LoveFrom. O Terra Carta Design Lab convida os mais de 2.300 alunos da RCA, sejam designers, artistas, ou arquitetos, para criar “soluções de alto impacto e baixo custo para a Natureza, as Pessoas e o Planeta”. Tanto Ive quanto o Príncipe Charles ajudarão a escolher os principais projetos do laboratório, e os mais promissores receberão a mentoria do designer.

Os alunos irão tratar de assuntos como a redução dos gases de efeito estufa, aumento da biodiversidade, e apoio ao desenvolvimento econômico com foco no meio ambiente para os países emergentes. 

A parceria pode parecer surpreendente em vista dos posicionamentos historicamente conservadores do Príncipe Charles sobre arquitetura contemporânea. No entanto, os alunos do programa de design da RCA concebem, a cada ano, conceitos de design sustentável radicais e meticulosos. O novo laboratório é uma espécie de lente, focando ainda mais os alunos em projetos ambientalmente positivos. Enquanto isso, os parceiros corporativos do Terra Carta Design Lab disponibilizam os recursos e buscam dimensionar algumas das ideias mais promissoras.

Como o laboratório funciona: os alunos desenvolvem e enviam ideias de design. Em novembro, a RCA selecionará os 16 melhores finalistas, que serão anunciados na COP26. Um número não especificado de projetos vencedores será escolhido para receber financiamento em 2022, juntamente com acesso a parceiros privados e orientação pessoal do próprio Ive.

Embora seja impossível prever que tipo de impacto pode sair de programas educacionais, o Terra Carta Design Lab parece ser atraente para muitos jovens estudantes de design.

Mais importante do que saber quais projetos serão financiados em 2022, é o movimento que pode crescer a longo prazo, à medida que jovens criativos e ambiciosos são atraídos para a missão do programa. Há anos, tecnólogos formados em lugares como o MIT Media Lab têm acesso a financiamento corporativo de curta duração. Trazer esse tipo de oportunidade para o design ambiental pode ser apenas uma maneira de fazer com que mentes promissoras trabalhem em um dos problemas mais urgentes da atualidade.

SOBRE O AUTOR

Mark Wilson é redator sênior da Fast Company. Escreve sobre design, tecnologia e cultura há quase 15 anos. Seu trabalho já foi publicado  no Gizmodo, Kotaku, PopMech, PopSci, Esquire, American Photo e Lucky Peach.