Há alguns dias, durante participação no festival South by Southwest (SXSW), o historiador e best-seller Yuval Harari, dentre vários temas que tratou, me deixou reflexivo sobre a maneira como posicionou a versatilidade narrativa dos seres humanos. Para Harari, as boas histórias foram fundamentais para transformar pessoas em uma sociedade destacando que, para lidar com as complexidades dos nossos tempos, não basta apenas ciência, são necessários outros elementos como religião, política e uma infinidade de narrativas. “Para unir as pessoas, politicamente, religiosamente e socialmente, é preciso contar boas histórias.”

“Apresento, a partir de hoje, para você, caro leitor e leitora da Fast Company Brasil, a FastCo Martech. Geralmente, chamaríamos de uma vertical ou editoria, mas é mais do que isso. É um ecossistema que vai conectar o que há de mais moderno no marketing com aquilo que impactará a inovação por meio do conteúdo e trocas”

Logo que li essa afirmação de Yuval, fiz uma associação direta com o marketing. O Chief Marketing Officer (CMO), ou qualquer líder dessa área vive um contexto cada vez mais pulverizado, diverso em formatos, narrativas e plataformas. E, neste contexto, quem ocupa a cadeira precisa realizar uma verdadeira alquimia para equilibrar tantos elementos e revertê-los em engajamento, vendas e relevância. Dentro deste contexto, eu adicionaria uma palavra que ilustra muito bem esse cenário: martech. O termo, em sua definição simples, é utilizado para caracterizar startups com soluções para o marketing. Mas todo o cenário acima, e o que está por vir, coloca a expressão como algo muito mais sofisticado.

Nos meus oito anos atuando como diretor-geral da MMA para a América Latina, observei que pensar martech é olhar para além da cadeira do CMO. É sobre a essência e a sobrevivência, eu diria, não só de uma marca, mas do legado de uma companhia inteira. Com este espírito e os aprendizados desses últimos anos que agora, também como membro do conselho editorial da Fast Company Brasil, enxergo a necessidade de intensificar a pauta de martech como a espinha dorsal da transformação que vivemos no marketing.

Apresento, a partir de hoje, para você, caro leitor e leitora da Fast Company Brasil, a FastCo Martech. Geralmente, chamaríamos de uma vertical ou editoria, mas é mais do que isso. É um ecossistema que vai conectar o que há de mais moderno no marketing com aquilo que impactará a inovação por meio do conteúdo e trocas. E eu faço o convite para que você, que, desde janeiro acompanha o conteúdo da Fast Company Brasil, que também faça parte dessa comunidade. Aqui, diariamente e por meio de múltiplos formatos, vamos focar em tudo aquilo que constitui a expansão do marketing sob os aspectos de INOVAÇÃO, TECNOLOGIA, DATA, GROWTH, DIVERSIDADE e COMPORTAMENTO.

“Martech é olhar para além da cadeira do CMO. É sobre a essência e a sobrevivência, eu diria, não só de uma marca, mas do legado de uma companhia inteira”

Os interlocutores dessa editoria vão além do universo do CMO: eles se constituem por CEOs, CTOs, CIOs, founders de martechs, adtechs e midiatechs, investidores, fundos, artistas, pesquisadores, estudiosos de tendências e comportamento e desenvolvedores de tecnologia.  Se antes, por muitos anos, o marketing dependeu tanto das histórias, das belas campanhas e das superproduções para construir ou manter suas marcas, hoje, o trabalho é, literalmente, de formiguinha. Pessoa a pessoa, lead a lead, usuário por usuário. Equilibrar branding e performance neste mundo de algoritmos e cada vez mais dados se tornou fundamental e vital. Sobretudo, nas dinâmicas de digitalização vividas pelas empresas onde o novo líder de marketing se tornou peça-chave. Estudo da McKinsey, realizado com 124 empresas de médio e grande porte no Brasil, constatou, por exemplo, que as empresas mais maduras digitalmente são aquelas cujos líderes conseguiram compreender de forma holística o impacto da digitalização.

Comunidade se faz com conhecimento

Como eu disse, a FastCo Martech é muito mais que uma editoria, é um ecossistema e, para tal, precisa de mentes que representem diversidade de empresas, pensamentos, repertórios e vivências. E é com muita alegria que dou às boas-vindas ao nosso time de colunistas que fazem parte dessa jornada. Adriana Barbosa, Adriana Knackfuss, Camila Coutinho, Daniela Cachich, Fernando Machado, Monique Evelle e Ricardo Dias, que as reflexões trazidas por cada um de vocês sejam cruciais para levar adiante nossa missão de transformar o marketing a partir da tecnologia.

Este texto é de responsabilidade de seu autor e não reflete, necessariamente, a opinião da Fast Company Brasil

SOBRE O AUTOR

Fabiano Destri Lobo é Managing Director da MMA na América Latina, a maior comunidade de marketing, inovação e tecnologia da região com mais de 300 empresas associadas, também atua como advisor e investidor em startups de martech e adtech e como membro do conselho da Fast Company no Brasil.