A NotCo, startup chilena que utiliza inteligência artificial para mapear alimentos de base vegetal, que tem Jeff Bezos como um de seus apoiadores, recebeu a aprovação da patente de seu sistema, o Giuseppe. Com isso, a empresa passa a ter o direito de oferecer a tecnologia para outras companhias interessadas em adicionar produtos de origem vegetal em seus portfólios. A operação encabeça o ranking das empresas mais inovadoras da América Latina segundo a Fast Company.

O Giuseppe analisa e compara propriedades moleculares dos alimentos e de ingredientes vegetais. O algoritmo cruza essas informações para sugerir uma receita que, usando apenas vegetais, pode chegar muito próximo em sabor, textura e valor nutricional dos alimentos de origem animal.

“Criada no Chile em 2015, a  NotCo já levantou US$ 120 milhões em capital com oito fundos, entre eles, o Bezos Expeditions, de Jeff Bezos”

Atualmente, em seu portfólio, a empresa possui produtos como NotBurger, NotMayo, NotIceCream e NotMilk no Brasil, Argentina, Chile, Colômbia e, em breve, no México e Canadá. “A patente cobre aplicações que vão de análise profunda e compreensão de alimentos de origem animal e vegetal usando bancos de dados proprietários a ingredientes e receitas para encontrar combinações de plantas diferentes e inesperadas para produtos”, afirma o CTO e cofundador da NotCo Karim Pichara.

“A patente nos coloca à frente do mercado de alimentos, nós entramos para o mundo B2B com nosso algoritmo Giuseppe, é um novo momento para a NotCo. É a nossa resposta com Inteligência artificial às grandes questões de alimentação no futuro.” Ciro Tourinho, CEO NotCo Brasil

Ciro Tourinho, country manager da NotCo Brasil (Crédito: Divulgação)

A empresa já levantou US$ 120 milhões em capital com o Bezos Expeditions, Future Positive, L Catterton, Kaszek Ventures, The Craftory, General Catalyst, Maya Capital e Endeavor Catalyst. E já possui parcerias com Walmart, Whole Foods e Burger King. No Brasil, é comandada, desde setembro do ano passado, por Ciro Tourinho, profissional com passagens por Nestlé, Ambev, Unilever e PepsiCo.

Fase de crescimento

De acordo com o estudoThe Good Food Institute Brasil, feito com 2 mil pessoas no ano passado, o grupo de brasileiros que se considera flexitariano aumento de 29% em 2018 para 50% em 2020.  os últimos dois anos, a indústria de alimentos à base de vegetais viveu um crescimento excepcional nos EUA — 29% em comparação ao 2,2% no varejo alimentício em geral —, e os produtos à base de plantas tornaram-se presentes na rotina diária dos consumidores. No Brasil, onde o mercado plant-based surgiu em 2019, houve no último ano um crescimento de 224% na categoria de hambúrguer vegetal e de 35% na de leites vegetais, segundo dados da Nielsen.

 

SOBRE O AUTOR

Luiz Gustavo Pacete é editor-contribuinte da Fast Company Brasil