Quem teme ao Fornite? Em janeiro de 2019, a resposta para essa pergunta era: a Netflix. Na ocasião, em relatório de resultados, a plataforma de streaming apontou o jogo da Epic Games como seu principal concorrente. Ainda que para muitos não fizesse sentido essa afirmação, à época, hoje, fica mais fácil de entender as razões de o maior serviço de streaming olhar de forma atenta para um game. Na ocasião, o conceito de metaverso como utilizamos hoje mal era difundido e, para muitos, Fortnite era apenas um jogo.

A Avenida Doritos Raibow foi desenvolvida pela agência de branded entertainment FUN (Crédito: Divulgação)

Hoje, ele começa a aparecer na estratégia de mídia e marketing de grandes marcas. Neste domingo, 6, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, uma das maiores do mundo, ganhou a Avenida Doritos Rainbow. A marca da PepsiCo ampliou o alcance a Parada, que ocorre pela segunda vez de forma totalmente digital, para o universo do jogo. O projeto foi desenvolvido pela agência de branded entertainment FUN com co-criação da Artplan. No ano passado, a Ruffles, marca irmã, já havia recriado parte da cidade de Porto Seguro, na Bahia, em um projeto que contou com shows e outras ações dentro do jogo.

Daniela Cachich, CMO da PepsiCo (Crédito: Raquel Espírito Santo)

Apesar de Fortnite não ser o único, por se tratar de uma plataforma com quase 300 milhões de jogadores, acabou se consolidando como um dos principais no que diz respeito a marcas e licenciamentos. Em abril, a Havaianas, criou uma ilha dentro do jogo levando experiência e conexão com conteúdo. De acordo com dados recentes divulgados pela Epic Games, a empresa informou que Fortnite rendeu US$ 9 bilhões entre 2018 e 2019. Dentro da plataforma, já foram realizados shows, como o de Travis Scott e DJ Marshmello, respectivamente com 10 e 12 milhões de pessoas ao vivo.

 NO TOPO DA ESTRATÉGIA DE MARKETING

No Brasil, além de Doritos, Ruffles e Havaianas, outras marcas como Fanta e Samsung, construíram mapas no ambiente do jogo. Outras plataformas também vêm atraindo a atenção de grandes empresas como o Cidade Alta, servidor do jogo GTA, o Avakin Life, que recentemente teve uma parceria fechada com O Boticário, que criou uma loja dentro do jogo, além de Free Fire, The Sims e Minecraft, onde o McDonald´s recriou sua loja conceito. “A experiência em Ruffles Porto no Fortnite nos mostrou a potência do universo de games, que hoje tem mais de 80 milhões de brasileiras e brasileiros e que atrai cada vez mais perfis diversos, principalmente se pensarmos nos chamados jogadores casuais. Observamos uma variedade de gamers de diferentes gêneros, idades e de diferentes comportamentos de consumo”, afirma Daniela Cachich, SVP de Marketing Alimentos Brasil e CMO Latam e colunista da Fast Company Brasil.

Além de Doritos Rainbow, a Ruffles, da PepsiCo, já havia desenvolvido ações em Fortnite (Crédito: Divulgação)

Ainda sobre o papel de plataformas de universos imersivos, Daniela reforça que “é sobre entender que esse ambiente é uma continuação de interações e conexões de marca. É sobre entender suas consumidoras e consumidores e estar presente de forma relevante em um universo que faça sentido para a audiência, e que passa a ser tratado como meio e não somente como entretenimento. Os festivais e eventos não deixarão de existir, mas enxergamos uma grande movimentação para a diversificação e para as novas maneiras de interação via streaming”, afirma.

 

SOBRE O AUTOR

Luiz Gustavo Pacete é editor-contribuinte da Fast Company Brasil