Guerra entre China e Taiwan afetaria indústria de tech e games?

O país fabrica mais de 90% dos semicondutores mais avançados do mundo e a interrupção da produção paralisaria indústrias globalmente

Crédito: Michal Ilenda/ Unsplash/ Oleksii Liskonih/ GettyImages

Chris Morris 3 minutos de leitura

A tensão entre China e Taiwan só aumenta. Autoridades chinesas haviam alertado que a visita da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, na terça e quarta-feira da semana passada (dias 02 e 03/08) ao território taiwanês poderia resultar em “consequências desastrosas”.

Dois dias depois da partida de Pelosi, mísseis chineses sobrevoaram a ilha. Na sexta-feira (05/08), o governo de Pequim suspendeu as negociações com os EUA em áreas chave como mudanças climáticas, questões militares e combate ao tráfico de drogas. Por sua vez, Taiwan alegou ter sofrido um ataque cibernético.

Em 25 anos, Pelosi é a mais alta autoridade dos EUA a visitar a ilha, que é uma democracia autogovernada. No entanto, a China a reivindica como parte de seu território. A visita fez com que as forças militares chinesas se posicionassem para exercícios no local.

Embora ainda seja uma grande incógnita se a China pretende invadir a ilha ou se está apenas se posicionando, a importância de Taiwan no mundo da tecnologia é inegável. O país fabrica mais de 90% dos semicondutores mais avançados do mundo, com exportações de US$ 118 bilhões em 2021.

Também é a sede da Taiwan Semiconductor Manufacturing Co. (TSMC), a fábrica de chips mais avançada do mundo. Entre seus clientes estão nada menos aque algumas das maiores companhias de hardware do mundo, como AMD, Apple, Nvidia, ARM e outros.

Para o presidente da TSMC, Mark Liu, uma invasão afetaria não só as economias de Taiwan e da China, mas da maioria dos países ocidentais.

Sem esses chips, os atrasos enfrentados durante a pandemia por quem tentou comprar um carro novo, um laptop, uma nova placa de vídeo ou um PlayStation/ Xbox parecerão os dias felizes de antigamente. Sem contar que os avanços tecnológicos em muitos campos podem praticamente parar.

Em uma rara entrevista recente à CNN, o presidente da TSMC, Mark Liu, disse que uma invasão afetaria severamente as economias não apenas de Taiwan e da China, como também da maioria dos países ocidentais.

“A guerra não traz vencedores. Todos são perdedores”, disse Liu. “Uma invasão tornaria a fábrica da TSMC inoperante. Como é uma instalação muito sofisticada, ela depende da conexão em tempo real com o mundo exterior – com a Europa, Japão, Estados Unidos – e de materiais a produtos químicos, peças de reposição, software de engenharia e diagnóstico.”

“CONSEQUÊNCIAS DESASTROSAS”

Embora a invasão da Ucrânia pela Rússia tenha impactado as rotas comerciais globais, interrompido o fornecimento de gás para vários países e provocado aumento nos preços dos alimentos em toda a Europa, autoridades taiwanesas dizem que um ataque ao seu país pela China teria um impacto global maior, ao atingir indústrias como montadoras de equipamentos eletrônicos pessoais e de uso doméstico.

Os EUA vão oferecer bilhões de dólares em incentivos para fabricantes de chips construírem fábricas em seu território.

Se houver um conflito, as rotas de navegação (que estão entre as mais movimentadas do mundo) não seriam mais seguras. Desde o início do ano, pouco menos da metade dos 5,4 mil navios porta-contêineres do mundo utilizaram o Estreito de Taiwan, transportando  não apenas semicondutores e telefones celulares, mas também roupas e eletrodomésticos. Cerca de 88% dos maiores navios porta-contêineres usam a hidrovia.

E se os EUA fossem empurrados para uma guerra com a China por causa de Taiwan? Um estudo da Rand Corporation diz que isso pode resultar em uma redução no produto interno bruto do país entre 5% e 10%.

Apesar de o presidente da TSMC garantir que uma invasão tornaria a fábrica inoperável, se a China, de alguma forma, tomasse o controle da instalação e a colocasse em funcionamento novamente, isso daria ao país uma tremenda vantagem tecnológica global – e viraria um cenário de pesadelo para as agências de segurança norte-americanas.

Isso foi quase certamente um fator na aprovação do CHIPS and Science Act pela Câmara dos Deputados dos EUA na semana passada. O projeto de lei, sancionado pelo presidente Biden, estabelece bilhões de dólares em incentivos para fabricantes de chips construírem fábricas em território norte-americano.

A Intel será uma das principais beneficiárias. Contudo, a TSMC também poderá colher benefícios, já que a empresa está trabalhando em uma fábrica de US$ 12 bilhões no Arizona.


SOBRE O AUTOR

Chris Morris é um jornalista com mais de 30 anos de experiência. Saiba mais em chrismorrisjournalist.com. saiba mais