A Globo anuncia, na manhã desta quinta-feira, 1, a criação da Player 1 Gaming Group, startup investida da Globo Ventures formada a partir do spin-off dos ativos e parcerias de games e e-sports desenvolvidos na Globo. A empresa entra para a lista de outros ativos da qual o braço de investimentos do grupo tem participação: Enjoei, Rappi, Órama, Bom pra Crédito, Stone, entre outros. A nova empresa terá Leandro Valentim, profissional que liderou a unidade de games e e-sports do grupo de mídia nos últimos anos, como CEO.

As transmissões dos campeonatos de League of Legends nos canais da Globo marcaram uma das imersões da empresa no segmento (Crédito: Riot Games)

A aproximação da empresa com o mundo dos games remete há cinco anos, quando o tema soava como enigma dentro dos diversos núcleos do grupo de mídia. Games e e-sports, no entanto, foram de nicho a pauta dos principais telejornais e programas de entretenimento. Neste período, surgiram iniciativas como o programa Zero1, a popularização de transmissões de jogos eletrônicos e parcerias emblemáticas que resultaram, por exemplo, na Game XP, projeto desenvolvido com Omelete Company e Rock in Rio.

“Nas primeiras conversas com as equipes sobre games, percebemos o tanto de gamers que tinham entre nossos colaboradores, mas que, muitas vezes, nem se davam conta disso. Essa experiência reforçou que não se tratava mais de um nicho, mas eram o mainstream. Foi a partir daí que acolhemos a essa missão, levar os games e e-sports ao público em geral”, conta Leandro Valentim. De fato, naquela época, os games já passavam longe de ser nichos. Em 2017, a receita da indústria foi de US$ 36 bilhões, já em 2020, chegou a US$ 159,3 bilhões. O segmento de e-sports, respondia, há cinco anos, por US$ 696 milhões, hoje, ultrapassa US$ 1 bilhão.

Leandro Valentim, CEO da Player 1 Gaming Group e, até então, head da unidade de games e e-sports da Globo (Crédito: Divulgação)

À época, Valentim e sua equipe já mapeavam que os games eram a modalidade que mais atraia jovens para a rede. “Investimos além da transmissão, olhamos para conteúdo e em ativos proprietários, dando origem a projetos como o Prêmio e-Sports Brasil, a Game XP e o Torneio Universitário de e-sports”, relembra o executivo. Agora, de forma independente, nesta nova fase, a Player 1 Gaming Group terá como premissa desenvolver iniciativas inter-relacionadas para a valorização e profissionalização de toda a cadeia de e-sports.

“Neste spin-off, vamos levar os ativos desenvolvidos, as parcerias estabelecidas e o time que liderou todas essas frentes na Globo e dar sequência aos projetos de games com a Globo, com marcas e publishers e foco para escalar o negócio, nos arriscando mais e sendo mais ágeis”, diz Valentim. Além da parte de mídia, coberturas e transmissões, que seguirão nos Canais Globo, uma série de projetos proprietários e parcerias estratégicas serão transferidos para a nova empresa que será dividida por produtos e plataformas.

ATIVOS ESTRATÉGICOS DE UMA INDÚSTRIA ESCALÁVEL

Sobre o movimento anunciado, Roberto Marinho Neto, CEO da Globo Ventures, destaca que “o investimento na Player1 Gaming Group reforça a crença no crescimento da indústria dos games e e-sports. O spin-off vai trazer foco e escala para um negócio promissor centrado neste consumidor altamente engajado.”

A empresa conta com quatro verticais de atuação: competições, conteúdo, causas e live experience. Na vertical de competições, as iniciativas cobrem acordos com publishers como Garena, Riot, Epic Games, Ubisoft, Konami e Supercell, com torneios recorrentes e projetos especiais, como os Jogos Escolares Eletrônicos (JEE), LBFF 3ª divisão, eGol Open, e WESG qualify. Além de parcerias de gestão do WESG Latam e da LnK Gaming, que opera alguns dos principais campeonatos do Brasil, como CBCS, eGol Pro, LBFF 2ª divisão, e o Torneio Universitário de eSports (TUeS).

No Gás do Just Dance, reality fruto da parceria entre Multishow, Ubisoft e Coca-Cola, que agora, passa a se incluir na vertical e conteúdo da nova empresa (Crédito: Divulgação)

Na vertical de causas, um olhar para temas sociais e bandeiras que precisam de ação. Projetos e parcerias com foco em inclusão, formação e oportunidade (AfroGames), comunidade LGBTQIA+ (Copa Rebecca Heineman), inserção da comunidade feminina (Game Changers, Batalha das Valquírias, Emissárias, PES das Minas). Na vertical de live experience, o Prêmio eSports Brasil, que vai para sua 5ª edição em dezembro de 2021, o GG eSports Summit, as finais presenciais das principais competições, e a futura Player1 Arena; iniciativas que retomarão ações com público assim que possível.

Na vertical de conteúdo, canais dedicados no YouTube, Twitch, Instagram, Facebook, Twitter, Tik Tok e Booyah para cobertura 360º das verticais de live experience e competições, e a Player1 Studios, núcleo de produções originais e co-produções digitais e crossmídia com Canais Globo (TV Globo, SporTV, Multishow, GNT, ge.globo e VIU Hub), que têm produções como ‘No Gás do Just Dance’, ‘FC Futebol de Casa’, ‘Looking for a Caster’ e ‘Looking for a Streamer’

SOBRE O AUTOR

Luiz Gustavo Pacete é editor-contribuinte da Fast Company Brasil