Como legado do movimento realizado em abril deste ano, contra o movimento #AbaixoPL504, organizado pelas principais agências de publicidade e entidades do mercado brasileiro de propaganda, nasce nesta segunda-feira, 28 de junho, o Observatório da Diversidade na Propaganda. O objetivo da iniciativa é garantir e ampliar a presença de pessoas LGBTQIAP+ na comunicação publicitárias das principais marcas que atuam no Brasil.

A iniciativa tomou corpo a partir da união de lideranças de agências, comitês de diversidade, anunciantes e plataformas, em abril, em oposição ao Projeto de Lei 504, que tramitou na Assembleia Legislativa de São Paulo e foi enviado às comissões após pressão de diversos setores.

O Observatório funcionará como uma entidade setorial que visa unir o mercado na construção de compromissos, metas e programas educativos com a missão de acelerar a inclusão deste grupo na publicidade nacional. “Mais do que compilar e dar visibilidade para a representação de pessoas LGBTQIAP+ nas campanhas publicitárias, o Observatório se atenta, principalmente, à presença desses profissionais na criação desses conteúdos e espaços de decisão”, diz o manifesto da entidade.

“Mais do que compilar e dar visibilidade para a representação de pessoas LGBTQIAP+ nas campanhas publicitárias, o Observatório se atenta, principalmente, à presença desses profissionais na criação desses conteúdos e espaços de decisão”

AKQA, CUBOCC, Dentsu International Brasil, Gana, Grey, Mooc, Mutato, New Vegas, Publicis e Soko são as agências fundadoras do Observatório e, com cadeira fixa no conselho do órgão. “Para o mercado, a PL504 significou uma ameaça à liberdade de expressão, mas, para a comunidade LGTBQIAP+, o que está em jogo é o direito de existir”, destaca Ariel Nobre, publicitário, ativista LGBTQIAP+ e consultor responsável por conduzir a materialização da iniciativa.

“Temos a oportunidade de unir, pela primeira vez, as lideranças em torno de uma iniciativa que visa garantir não só nossa existência nas campanhas, mas, principalmente, de acelerar nossa inclusão como profissionais que somos”, destaca Ariel.

Além das agências fundadoras, o Observatório conta também com o suporte de outras agências e entidades patrocinadoras e apoiadoras. Dentre elas estão CB+P Brasil, IPG Mediabrands Brasil e Suno United Creators; e dentre as apoiadoras estão as agências AlmapBBDO, África, Artplan, B&Partners, Brunch, MediaMonks + Circus, DPZ&T, FBiz, FCB Brasil, Gut, Ogilvy, SunsetDDB, Wieden+Kennedy, VMLY&R e WMcCann. O órgão setorial nasce com o apoio institucional da ABAP, de consultorias como Mais Diversidade e Indique uma Preta.

Nas próximas semanas, as empresas fundadoras se reunirão para validar o plano de ação, e ao longo dos primeiros 3 meses, as associadas devem aprovar um plano de metas para direcionar a empregabilidade, consolidação de lideranças e disseminação da cultura LGBTQIAP+ no mercado publicitário.

SOBRE O AUTOR

Luiz Gustavo Pacete é editor-contribuinte da Fast Company Brasil