POR REDAÇÃO FAST COMPANY BRASIL

Imagine ter aulas de gestão de restaurante com a chef Paola Carosella. Ou aprender a arte de contar histórias que emocionam com o jornalista Tino Marcos. Agora isso será possível. Os dois fazem parte de um projeto nascido de um encontro de ideais. No início do ano, a Descomplica, startup 100% online que oferece cursos preparatórios para Enem e vestibulares e também de graduação e pós-graduação, e a Play9, hub de influenciadores e conteúdo digital que tem entre seus sócios Felipe Neto, perceberam que havia um nicho a ser trabalhado na educação que podia misturar experiência, inspiração e entretenimento. O resultado acaba de ser materializado, criando um novo negócio para as companhias.

Paola Casorella (Crédito: Jason Lowe)

Da união da expertise das duas empresas, surgiu o Mestres da Real, que promove cursos curtos e práticos ministrados por personalidades famosas – na TV ou nos meios digitais – e por conhecidos especialistas em variadas áreas que podem ajudar a acelerar projetos acalentados que precisavam de um impulso para se tornarem realidade. Gerar impacto é uma das propostas que faz parte da nova linha educativa em que a Descomplica se lança, com ajuda da parceira.

Os mestres são famosos e têm alto poder de comunicação, mas os cursos seguirão a metodologia de ensino da edtech, que foi fundada em 2011 e que hoje atinge cinco milhões de usuários por mês em todas suas plataformas educacionais. Neste primeiro momento, são 10 os selecionados, que vão dar aulas práticas sobre suas áreas. Além de Paola e Tino, na lista estão o próprio Felipe Neto, a apresentadora Fátima Bernardes, o advogado, professor e escritor Silvio Almeida (autor de “Racismo estrutural”), a ex-ginasta Daiane dos Santos, o youtuber Professor Noslen (dono do maior canal de língua portuguesa do mundo), a jornalista e apresentadora Carol Barcellos, o empresário e especialista em entretenimento e mídia Pedro Tourinho (autor do livro “Eu, eu mesmo e minha selfie – Como cuidar da sua imagem no século XXI”) e a administradora Nina Silva, especialista em tecnologia e fundadora do Movimento Black Money.

Cada curso deverá durar aproximadamente quatro semanas, com 20h de carga horária. As aulas serão ministradas de forma leve e divertida, com conteúdo gravado, mas fazem parte também vlogs (em que o mestre entra em ação com seu celular, sem roteiro, às vezes comentando algum ponto observado pelo aluno) e com lives. Os alunos terão ainda o apoio de tutores da Descomplica para ajudá-los a aplicarem o conteúdo aprendido em seus projetos, com aulas, lives e materiais de apoio. A expectativa é alcançar 100 mil pessoas até o final de 2022.

Como se vê, um dos pontos fundamentais do Mestres da Real é a escolha de nomes que inspiram, que tenham trajetórias de sucesso por anos e até décadas para atuarem como professores informais. “Juntamos pessoas muito famosas – algumas com mega audiências, como a Fátima e a Paola – e outras nem tanto, mas que são especialistas em temáticas importantes. Vamos manter a composição dos mestres assim. Qualquer que seja esse perfil, eles têm algo que sabem fazer muito bem”, conta João Pedro Paes Leme, sócio e CEO da Play9. Vale destacar que a metade da lista é feminina. Aliás, os primeiros nomes escolhidos para o projeto foram de mulheres.

TER AULA COMO SE FOSSE VER A NETFLIX

Uma questão chave do novo negócio é poder levar um tom de diversão e entretenimento ao ensino, algo no qual as duas empresas apostam. Para Marco Fisbhen, CEO da Descomplica, que foi professor de física, essa é uma tendência forte e trabalhar nessa intersecção é uma das missões do Mestres da Real. “Acreditamos que aprender deve ser tão divertido quanto assistir à Netflix”, declara.

Marco Fisbhen (Crédito: divulgação) 

Paes Leme, que foi repórter e diretor de esporte da Globo antes de lançar a Play9, corrobora: “Nos cursos da Descomplica, ninguém é professoral. Isso foi algo importante para juntar as duas empresas. Esse lado potencializa as aulas”. Ele cita como exemplo o curso de Tino Marcos, que “está educativo e lúdico”. O jornalista deixou a Globo em fevereiro, após mais de 30 anos na tela da emissora. “Se falarmos do esporte na TV, ele inovou ao apostar no infotainment, ao incorporar o entretenimento, algo que as plataformas digitais já forneciam”.

Outro pilar essencial para o Mestres da Real é ser acessível. As parcelas dos cursos são de até R$ 50 por mês (em 12 parcelas). “Para nós, não adianta ter cursos com grandes astros que sejam caríssimos. Nossa proposta é outra. Temos a intenção de causar impacto real e, para isso, é necessário que o preço seja aderente. Nosso modelo é que o negócio possa ser pago em larga escala”, explica Fisbhen.

Esse é um conceito que faz parte da startup desde sua origem. “A Descomplica começou para levar educação de qualidade para a massa. Nós nos baseamos nisso: qualidade e acessibilidade”, reforça o COO da empresa, Roberto Grosman. Um curso preparatório para o vestibular de medicina sai por 12 parcelas de R$ 37,80, em valores fora de promoção.

Ao longo de 2022, o Mestres da Real irá lançar pelo menos um novo curso a cada mês. Os primeiros disponíveis, a partir do início do próximo ano, serão os de Tino Marcos (total de R$ 360) e o de Fátima Bernardes (total de R$ 600). Tino montou as aulas para ensinar seus alunos a produzir histórias que inspiram nas telinhas. Já Fátima vai explicar como se comunicar assertivamente com diferentes públicos. Quem adquirir um dos cursos na pré-venda (parceláveis em 12 vezes), que se inicia nesta semana, irá participar de uma live exclusiva com os dois mestres. Os demais cursos, como o de Felipe Neto, que deverá falar sobre criatividade, serão anunciados posteriormente.

O acesso às aulas acontecerá na plataforma digital da Descomplica, mas em uma versão adaptada, com recursos que permitem desde a boa navegação do aluno até a análise de dados. Ainda neste ano, o Mestres da Real estará estruturado para mais um benefício. Os inscritos nos cursos poderão submeter seu projeto para um processo de seleção para receber fomento: financeiro, mentorias, divulgação, networking e eventualmente como apoio dos próprios influenciadores e especialistas.

Tino Marcos (Crédito: divulgação)

PROJETOS PARA MUDAR VIDAS

O novo negócio é um dos principais investimentos da Descomplica no ano que vem. “O Mestres da Real é um braço importante. Estamos trabalhando com outros modelos e estamos atentos a projetos de expansão”, salienta Fisbhen. Em 2021, o foco esteve no crescimento da estrutura para graduação e pós, um movimento que ganhou intensidade no ano passado, quando a edtech lançou sua faculdade. Em fevereiro, a Descomplica – uma das seis empresas brasileiras listadas no ranking deste ano da Fast Company de companhias mais inovadoras da América Latina – recebeu um aporte de R$ 450 milhões e, quatro meses depois, adquiriu o centro universitário UniAmérica, do Paraná.

Em 2022, a intenção é dinamizar o Mestres da Real e seu formato, caracterizado por um alto grau de inspiração – já que “para gerar impacto, é necessário ter gente que inspira”, como ressalta Fisbhen –, por uma certa informalidade, marca das redes sociais, e por estar atrelado a projetos reais. “O conteúdo é fornecido por pessoas com trajetórias verdadeiras. E ainda tem o tutor para ajudar a amarrar as coisas”, emenda.

 João Pedro Paes Leme (Crédito: divulgação)

O público-alvo está em jovens ainda na faculdade ou que recentemente entraram no mercado de trabalho, mas o Mestres da Real também pode interessar quem deseja mudar de vida. “Entendemos que não se trata apenas de um curso. Ele é uma centelha para um projeto de vida que precisava disso para acontecer”, crava Paes Leme. Grosman acrescenta: “Olhamos para tudo que existe no mercado. E percebemos que havia um espaço para cursos mais práticos que gerem impacto na vida das pessoas”.

O CEO da Play9 aponta ainda que o Mestres da Real atende o desejo de muitos influenciadores de compartilhar suas experiências de uma maneira diferente do que fazem em suas plataformas. É claro que, apesar de serem bons comunicadores, nem todos têm a didática necessária para transmitir conteúdo para os interessados em seus saberes. “Uma coisa é comunicar. Outra, ensinar. Casamos os dois lados e trouxemos um dos nossos melhores professores para atuar como coach dos nossos mestres”, revela Grosman.

Que outras personalidades ou especialidades podem entrar na “segunda temporada” do Mestres da Real? “No caso dos influenciadores tudo se baseia em trajetórias reais. As temáticas têm de ser as que gerem larga escala. O princípio está em realizar sonhos, em aproveitar temas que toquem o brasileiro e permitam tirar projetos da gaveta. Saberemos que tivemos sucesso se fizermos com que o Mestres seja um trampolim”, afirma o CEO da Descomplica. “Como startup, estamos sempre curiosos e abertos. Vamos ver como será o impacto da primeira temporada para fazer ajustes de metas. Isso também deu certo ao fecharmos com a Play9: os espíritos bateram porque gostamos de botar o projeto no mundo e aprender fazendo”, completa.