Nestlé lança no Brasil primeira cafeteira de cápsulas compostáveis

País é mercado prioritário para o segmento de cafés da companhia e o primeiro a receber as cápsulas, que se decompõem em seis meses

Crédito: Fast Company Brasil

Claudia W. Penteado 3 minutos de leitura

A fábrica sustentável de Nescafé Dolce Gusto, em Montes Claros, Minas Gerais, é a primeira no mundo a produzir a maior inovação global da Nestlé no segmento de cafés: cápsulas feitas com papel, para a Nescafé Dolce Gusto NEO, máquina lançada para revolucionar a categoria.

Feitas com papel certificado pela organização não-governamental Forest Stewardship Council (FSC) e com um polímero biodegradável compostável, as cápsulas protegem o café de alta qualidade da oxidação e garantem a “extração perfeita”.

Elas foram criadas para se decompor como cascas de frutas, de forma natural e em cerca de seis meses. Por isso, contam com os selos OK Compost Home e OK Compost Industrial, que comprovam sua compostagem doméstica e industrial pela certificadora ambiental TUV Áustria.

A tecnologia ultrassônica promove vedação hermética, enquanto as máquinas NEO garantem um sistema de extração que elimina margens de erro. O sistema foi projetado pelos especialistas do Centro de Tecnologia da Nestlé em Orbe, na Suíça, e garante resultados excelentes em diferentes métodos de preparo, como ristretto, espresso, lungo, caseiro e americano.

Usando a chamada tecnologia SmartBrew, a máquina é capaz de identificar qual cápsula foi inserida no compartimento e ajustar parâmetros diferentes para extrair o café de forma perfeita, incluindo quantidade e temperatura da água e tempo de processamento. 

Ao simples toque de um botão, ela proporciona a expertise de cafeterias, dentro de casa. O consumidor também pode personalizar a receita do café, ajustando os parâmetros de extração pelo app de Nescafé Dolce Gusto, que se conecta diretamente à máquina, por Bluetooth e Wi-Fi.

A novidade chega às lojas no dia 1º de dezembro. Enquanto isso, é possível se cadastrar em uma lista de espera no site da empresa.

SUSTENTABILIDADE DE PONTA A PONTA

Tornar a sustentabilidade escalável é o grande desafio da indústria, aponta o CEO da Nestlé Brasil, Marcelo Melchior. Nesse sentido, NEO é um marco tecnológico de baixo impacto ambiental, além de ser considerado o futuro do sistema de cápsulas. Tanto que o investimento na nova linha de produção é da ordem de R$ 300 milhões.

O café Nescafé Dolce Gusto NEO vem de fazendas do Cerrado Mineiro, Sul de Minas e Espírito Santo e é 100% certificado por sistemas líderes no mundo para o cultivo e processamento sustentável de café, como o Código Comum para a Comunidade Cafeeira (4C), AtSource, Rainforest Alliance, entre outros.

Se as cápsulas foram criadas para desaparecer, a máquina foi projetada com foco na durabilidade: sua vida útil é de 10 anos. É feita com peças de alumínio e plástico reciclados e pode ser consertada com rapidez e facilidade. Também vem equipada com o recurso do desligamento automático, o que garante consumo eficiente de energia.

PRINCIPAL FORNECEDOR

O Brasil não foi escolhido por acaso como o primeiro mercado global a receber o produto. O país é responsável por 35% da produção mundial, com produtividade acima da média e fornecimento feito por cerca de 300 mil produtores.

O país é o principal fornecedor da Nestlé, que tem no café, globalmente, sua mais importante categoria de produtos. Segundo Taissara Martins, gerente de ESG para cafés e bebidas da empresa, 100% do café que a Nestlé compra no Brasil é certificado desde 2019, dentro de uma jornada de sustentabilidade iniciada em 2011.

Realizada por certificadoras independentes, a certificação é a garantia, por exemplo, do respeito pelos trabalhadores da cadeia produtiva e da responsabilidade com a cadeia de carbono.

Vale destacar que a fábrica em Montes Claros, que está produzindo as novas cápsulas compostáveis, é Triplo Zero e foi a primeira da Nestlé no mundo a receber a certificação de Impacto Ambiental Neutro em todas as etapas industriais, utilizando água de reuso, não gerando resíduos e neutralizando 100% de suas emissões de carbono.


SOBRE A AUTORA

Claudia W. Penteado é jornalista e escreve sobre criatividade e inovação. saiba mais