The Body Shop incentiva jovens a participar dos espaços de decisão

Pesquisa da marca em parceria com a ONU mostra que os jovens veem desequilíbrio de gerações quando o assunto é política

Crédito: Divulgação

Redação Fast Company Brasil 3 minutos de leitura

Em ano eleitoral no Brasil, os jovens estão mostrando que têm muito a dizer sobre os caminhos do país e querem se sentir representados por outros jovens nos cargos de decisão. A The Body Shop realizou um levantamento em 26 países e identificou que dois em cada três entrevistados concordam que o equilíbrio entre gerações na política está errado. Atualmente, apenas 2,6% dos parlamentares do mundo têm menos de 30 anos. 

Fruto de uma parceria global da marca com a Secretária-Geral das Nações Unidas para a Juventude, a pesquisa entrevistou 27.043 pessoas em várias faixas etárias, incluindo 14.160 entre 15 e 30 anos. O objetivo era entender os preconceitos e barreiras estruturais que impedem os jovens de participarem da vida pública.

A maioria dos entrevistados (82%) concorda que os sistemas políticos precisam de reformas drásticas para se adequar ao futuro. O levantamento procurou ainda apurar recomendações para enfrentar esses desafios em benefício das sociedades.

“Temos o ativismo em nosso DNA, desde a fundação, em 1976, por Anita Roddick. Somos uma marca que busca provocar conversas e, por meio delas, mudanças estruturais a longo prazo. Sempre com justiça social e ambiental nos negócios e na sociedade”, afirma Karina Meyer, diretora de marketing da The Body Shop para a América Latina.

Segundo levantamento da marca, 31% das pessoas com menos de 30 anos ficariam mais estimuladas a se envolver em assuntos públicos se tivessem mais acesso a informações, enquanto 25% precisam acreditar na possibilidade de mudança para se envolver na vida pública.

PARCERIA LOCAL

O estudo faz parte da campanha Sua Voz. Seu Poder (Be Seen. Be Heard), que começa com uma parceria com a ONG de liderança jovem Engajamundo. Um dos objetivos é informar e engajar essas e outras pessoas a elevar suas vozes e ampliar a participação nos espaços de poder.

Gabi Luz (Crédito: Divulgação)

“Precisávamos de alguém com conhecimento local para sabermos qual a agenda desse jovem no Brasil, quais suas principais motivações e causas e, claro, como falar e se conectar com essas pessoas. Para isso, nada melhor que uma ONG feita por e para jovens, como o Engajamundo”, diz Karina.

Para Gabi Luz, influenciadora, travesti ativista e uma das lideranças, ativismo é o nome dado para a luta cotidiana travada pelas minorias e participar da vida pública é restituir um espaço que, historicamente, nunca foi aberto a essa parcela da população.

“Estar e viver em comunidade é me confrontar diariamente com as diferenças e entender que essas diversidades me fortalecem.  Mesmo não concordando 100% com as mesmas coisas, vamos juntos, pois assim sabemos que conseguimos chegar lá”, diz Gabi. “Precisamos nos mobilizar. Sempre foi assim a nossa vida. A história desse país é marcada por lutas”, completa.

MOBILIZAÇÃO

A parceria com a Engajamundo prevê ações de ativismo como rodas de conversa, intervenções urbanas e postagens nas redes sociais. Serão abordados temas como racismo ambiental, desigualdade social, mobilidade urbana, energia e segurança alimentar. A ideia é englobar as várias realidades do Brasil, sejam elas de raça, gênero, classe social ou regionalidade, entre outras.

“Para se falar de temas sensíveis e urgentes, é necessário que as juventudes sejam ouvidas e tenham suas vozes ecoadas. Se não, precisamos fazê-las presentes. Por isso o Engajamundo entende o digital como uma importante ferramenta de mobilização, unindo pessoas, pautas e territórios, ampliando esses horizontes de alcance”, diz Frances Andrade, diretor executivo da entidade.

A parceria terá duração de seis meses. Já a campanha “Sua Voz. Seu Poder” tem previsão de se estender por três anos, período em que a The Body Shop continuará avaliando diferentes aliados para conseguir conectar essas mensagens com o público jovem que – pelo bem do futuro do planeta – precisa se aproximar do debate.


SOBRE O(A) AUTOR(A)

Conteúdo produzido pela Redação da Fast Company Brasil. saiba mais