Um sistema simples para ajudar a organizar a bagunça digital

O método PARA foi desenvolvido por Tiago Forte, autor do livro “Construindo um Segundo Cérebro"

Crédito: DeepMind/ Unsplash

Robin Copple 4 minutos de leitura

A busca consciente e ativa por uma vida produtiva e saudável invariavelmente inclui reflexão, autoconhecimento e experimentação. De tempos em tempos, devemos olhar para nossos sistemas e ferramentas e avaliá-los para ver o quanto de fato contribuem com o nosso trabalho. E, se há uma nova maneira de fazer as coisas, por que não dar uma chance?

Quando nossos celulares passaram a ter lojas de aplicativos – com vários gratuitos – fiquei completamente obcecado e baixei um monte deles. Eram páginas e mais páginas de aplicativos, alguns bobos, a maioria totalmente péssimos. Mas não importava – eram de graça. E, se encontrasse ao menos um que me ajudasse, o esforço teria valido a pena.

O empresário bilionário Mark Cuban foi ainda mais longe. Ele conta que cresceu andando por livrarias, pegando das prateleiras qualquer livro que lhe chamasse atenção. “Pagar US$ 30 por uma nova ideia que pudesse mudar minha vida… era uma pechincha”, explica.

Todos devemos aplicar esse mesmo pensamento ao trabalho e ao modo como o realizamos. É exatamente sobre isso que vamos tratar aqui. Um novo método para organizar seus arquivos e a filosofia em que ele se baseia.

O SISTEMA

Ao contrário do que você possa imaginar ou ter ouvido, não existe uma única abordagem que sirva para todas as situações ou que seja ideal para todo mundo. Mas há muita gente inteligente e séria por aí que dedica seu tempo a criar estruturas diferentes para esse caos que chamamos de vida.

Vamos dar uma olhada em um desses sistemas: o método PARA.

Esta é uma fórmula desenvolvida por Tiago Forte, autor do livro “Building a Second Brain” (Construindo um Segundo Cérebro).

PARA é o acrônimo de Projetos, Áreas, Recursos e Arquivo. São conceitos relativamente simples, como o próprio autor os descreve:

Projetos: uma série de tarefas vinculadas a uma meta, com prazo definido.

Áreas: um campo de atividade com padrão específico a ser mantido ao longo do tempo.

Recursos: um tópico ou tema de interesse contínuo.

Arquivo: itens inativos das outras três categorias.

O sistema PARA é um ótimo ponto de partida para sentir o efeito positivo que pastas podem ter em sua rotina de trabalho. Ter um lugar específico para armazenar suas coisas e deixar todo o resto livre e limpo nos traz uma sensação de satisfação.

Não sei exatamente porquê, mas, para mim, essa abordagem abarca tudo. Há a intencionalidade do recurso. Há a leve pressão de ocupar espaço no seu computador quando não necessário. E há o prazer de ter um lugar para cada coisa.

UTILIZANDO O SISTEMA

Apenas como exercício, crie quatro pastas em seu computador. Você pode dar outros nomes para que se adequem melhor ao seu uso específico:

1. Projetos e Pendências: É aqui que, obviamente, ficarão seus projetos. Apalavra “projeto” pode significar qualquer coisa da sua rotina profissional. Podem ser clientes, iniciativas ou qualquer outra divisão de seu trabalho. Contanto que contenha arquivos que façam sentido, que você saiba por que estão lá e a lógica por trás dessa escolha, será bastante útil.

2. Áreas de Interesse: Aqui, gosto de colocar tudo aquilo que “nunca termina”. Se você, como eu, tem uma pasta em constante expansão, como “Fotos”, por exemplo, coloque-a aqui. Esse é o lugar para armazenar seus hobbies, bem como qualquer coisa sobre a qual esteja interessado em aprender mais.

3. Material de Pesquisa: Costumo ter várias abas abertas no meu navegador. Artigos longos para “ler mais tarde”, fontes ou “descobertas importantes”. Nunca soube onde armazenar tudo isso. Mas o simples ato de reunir todos os materiais de pesquisa em uma única pasta, onde cada um recebe um nome e estão dispostos de maneira organizada – separados do trabalho – muda completamente a sua experiência digital.

4. Arquivos: Aquilo que não está usando no momento, ou nunca usa, mas quer manter. Aqui, você pode exercer seu lado acumulador de forma saudável. Com o tempo, à medida que for finalizando projetos ou qualquer outra pendência, sentirá o prazer de colocar tudo nesta pasta. Use-a da maneira que preferir.

Pronto, coloque tudo o que não for útil por ora na pasta Arquivos e já pode começar a trabalhar. Quando tiver que baixar algo ou salvar um projeto, escolha a pasta mais adequada. Confie no seu instinto.

O QUE MUDA

Agora chegamos à parte divertida: quais possibilidades isso poderia abrir no trabalho e na vida pessoal? A forma como lidamos com informações muda. Você passará a tratar seus arquivos de forma mais objetiva, como peças que podem ser movidas, utilizadas e depois arquivadas.

Quando encontrar algo interessante na internet, não precisa mais ficar perdido sem saber o que fazer. “Não tenho tempo para ler isso agora, mas sei que é importante. O que eu faço?” Basta colocá-lo na pasta adequada.

A maneira como conduz seus projetos e estrutura sua rotina também muda. Você terá pastas específicas e organizadas prontas para serem acessadas. Seus materiais estarão todos a um clique.

E, por fim, aderir a um sistema como esse pode lhe dar maior direcionamento e objetividade, que serão bastante úteis na sua rotina digital.


SOBRE O AUTOR

Robin Copple é escritor, editor e cineasta. saiba mais