6 razões pelas quais você pode se arrepender de pedir demissão

Em uma nova pesquisa com candidatos a emprego, muitos dos que pediram demissão relataram que achar um novo foi mais difícil do que pensavam

Crédito: iStock

Shalene Gupta 2 minutos de leitura

Ano novo, novas metas. Mas o que permanece é a mesma velha preocupação: como conseguir um emprego e um salário melhor?

A Joblist, uma plataforma de busca de emprego, entrevistou 30 mil candidatos a emprego nos Estados Unidos para entender o estado do mercado de trabalho em 2023. Os resultados não são nada animadores.

Embora os candidatos ainda acreditem que o jogo está do lado deles, as demissões estão aumentando e os aumentos salariais não acompanharam a inflação. No mínimo, o que a pesquisa sugere é que precisamos nos preparar para adversidades em 2023, caso a inflação e as demissões continuarem aumentando. As principais descobertas dessa pesquisa foram: 

Quem está procurando emprego ainda se sente confiante com o mercado de trabalho…

Dentre os entrevistados, 52% acreditam que eles – e não os empregadores– têm vantagens na busca de emprego, enquanto 78% acreditam que podem aumentar seus salários se mudarem de emprego.

… mas muitos dos que pediram demissão acabaram se arrependendo

Cerca de 22% dos que largaram o emprego em 2022 admitiram que se arrependeram. De acordo com a pesquisa, esses foram os principais motivos: 

  • 49%: “Achar um novo emprego foi mais difícil do que parecia”
  • 20%: “O novo emprego não era o que eu esperava”
  • 14%: “Sinto falta dos colegas do meu antigo emprego”
  • 13%: “A economia piorou desde que saí”
  • 13%: “O antigo emprego era melhor do que eu imaginava”
  • 7%: “Aumento do desequilíbrio entre vida pessoal e profissional”

As demissões estão aumentando

Um terço dos entrevistados (34%) trabalham em organizações que estão atravessando um congelamento nas contratações e 14% relataram que a empresa já anunciou ou vai anunciar demissões. No entanto, as preocupações são específicas no setor industrial e empresarial.

Mais de 75% dos profissionais das áreas de saúde e educação disseram que suas empresas ainda estão contratando, enquanto 22% do pessoal de tecnologia estavam muito preocupados com demissões.

Os salários estão defasados por conta da inflação

Enquanto 53% receberam um aumento em 2022, mais de 80% desses aumentos foram inferiores a 10% e nada menos que 65% foram inferiores a 5%.

Apenas 59% dos trabalhadores que pediram aumento foram atendidos. No entanto, 65% das pessoas que pediram aumento citaram o custo de vida como motivo e só 45% declararam estar “confortáveis” em termos financeiros.

Os candidatos priorizam opções remotas, menos os da GenZ

Caso fossem obrigados a trabalhar presencialmente em período integral, 43% declararam que pediriam demissão. Surpreendentemente, porém, 57% dos profissionais da geração Z afirmaram que gostariam de trabalhar no modo presencial, enquanto apenas 27% dos entrevistados dessa faixa etária sonham com um emprego remoto. Para fins de comparação, entre os millenials, 49% preferem trabalhar de casa. 

“Embora as perspectivas para 2023 permaneçam nebulosas, já tem mais gente prevendo uma desaceleração econômica moderada após o período de crescimento”, escreveram os autores do relatório. “Mas só o tempo dirá.”


SOBRE A AUTORA

Shalene Gupta é jornalista e escritora, co-autora do livro "The Power of Trust: How Companies Build It, Lose It, Regain It". saiba mais