POR CHRISTOPHER ZARA

Uma pesquisa conduzida pela Harris Pool exclusivamente para a Fast Company constatou que pessoas com idades de 45 a 54 anos são as menos propensas a ver a riqueza como uma meta alcançável nos EUA. Apenas 47% concordam que é possível ficar rico ou fazer parte da elite, em comparação com 60% dos que possuem idade entre 18 e 34 anos e 56% dos entrevistados de 35 a 44 anos. Os baby boomers também são mais propensos a concordar que a riqueza é alcançável: 52% das pessoas de 55 a 64 anos e 57% daqueles com idade superior a 65 anos acreditam na possibilidade.

A Geração X geralmente refere-se aos indivíduos nascidos entre 1965 e 1980, o que significa que os membros mais velhos deste grupo estão agora na casa dos cinquenta e, à medida que se aproximam da aposentadoria, têm mais chances de obter o que consideram uma perspectiva de ganho limitada. 

Em geral, os entrevistados jovens —  homens mais jovens, especificamente — têm muito mais probabilidade de ver a riqueza como alcançável, com 69% dos homens com menos de 35 anos e 51% das mulheres com menos de 35 acreditando que sim. 

A pesquisa realizada em julho contou com 1.008 adultos norte-americanos que responderam à seguinte questão:

“Nos Estados Unidos, tornar-se membro da classe alta / elite é uma meta alcançável.” 

  • 18-34 : 60% concordam / 18% concordam totalmente
  • 35-44 : 56% concordam / 17% concordam totalmente
  • 45-54 : 47% concordam / 7% concordam totalmente
  • 55-64 : 52% concordam / 10% concordam totalmente
  • Acima de 65 : 57% concordam / 15% concordam totalmente

Mesmo que a geração X tenha a menor média, é importante ressaltar que os norte-americanos ainda estão otimistas sobre a possibilidade de enriquecer, e 55% acreditam que essa é uma meta alcançável. 

Ao mesmo tempo, e de forma bastante contraditória, mais da metade dos entrevistados (54%) também disse que os membros de sua geração estariam em situação pior do que seus pais. Nesse sentido, foram os millennials mais velhos e os mais jovens da Geração X que mostraram mais pessimismo, com 65% dos adultos com idade entre 35 e 44 anos esperando uma situação pior que a de seus pais, a maior porcentagem entre qualquer faixa etária.

SOBRE O AUTOR

Christopher Zara é editor sênior de notícias da Fast Company e obcecado por mídia, tecnologia, negócios, cultura e teatro. Antes de vir para a FastCo News, ele foi editor adjunto do International Business Times, crítico de teatro da Newsweek e editor administrativo da revista Show Business Mais.