POR MARK WILSON

O Microsoft Teams tem 250 milhões de usuários em todo o mundo. E a partir de 2022, todos eles poderão realizar reuniões em espaços virtuais, usando óculos de realidade aumentada.

Em vez de simplesmente transmitir sua imagem ao vivo através de uma câmera, as pessoas poderão aparecer como avatares de desenhos animados de si mesmas, com expressões faciais expressas em tempo real, incluindo sorrisos e caras feias. E sim, eles poderão – você poderá – ficar tão irritado quanto o seu coração de desenho animado desejar. 

“Sim, você pode ficar p* da vida”, promete Alex Kipman, pesquisador e técnico de IA e realidade mista, brincando comigo depois de eu ter insistido demais sobre esse assunto. E esse único gesto diz muito sobre como a Microsoft está olhando para o futuro do trabalho – e para o futuro de quase tudo online na era do metaverso.

A Microsoft vem desenvolvendo sua própria ideia de metaverso por meio do Mesh há vários anos, em conjunto com os óculos HoloLens de realidade aumentada. Mas, até agora, a proposta do Mesh ainda tem sido difícil de assimilar. Isso acontece principalmente porque o Mesh é uma tecnologia fundamental: ela é a maneira como a Microsoft conectará as pessoas em qualquer dispositivo (smartphones, laptops, headsets etc.) em espaços compartilhados onde todos podem interagir, não importa como eles se conectem.

Agora que a Microsoft acabou de anunciar que o Mesh será lançado para o Teams em 2022, é chegada a hora de analisar os motivos que podem transformá-lo em um aplicativo popular.

A plataforma de metaverso do Facebook-Meta, anunciada na semana passada, tem grandes semelhanças com o que a Microsoft está anunciando. Em ambas, as empresas criam seus próprios espaços em 3D. Nas duas, os avatares das pessoas também são fofinhos e engraçados. Mas os líderes da Microsoft são bastante diretos quando se trata de traçar uma linha que diferencia a abordagem do Facebook-Meta da sua própria: enquanto o Facebook-Meta deseja “possuir” o metaverso, a Microsoft prefere potencializá-lo.

“Muitas empresas pensam como se fosse haver um metaverso dominante, e querem que todos passem a viver no ‘seu’ metaverso. Mas, para mim, essa é uma visão distópica do futuro”, afirma Kipman. “Da forma como nós da Microsoft enxergamos, o usuário participará de um multiverso. Cada site de hoje será um metaverso de amanhã. Afinal, o que torna a internet interessante – ao contrário das [plataformas antigas como] AOL e CompuServe –é justamente a possibilidade dos links entre sites.”

Sendo assim, a Microsoft imaginou o Teams como um protótipo do metaverso, onde as empresas poderão montar seus próprios espaços. Mas em vez de governar seu próprio metaverso como o Facebook-Meta aspira fazer, a Microsoft entende que seu papel com o Mesh será fornecer a cola fundamental que ajuda a manter um multiverso de mundos conectáveis. Esta não é apenas uma visão filosófica da tecnologia. O Mesh da Microsoft foi criado para permitir que as empresas usem uma forma de comunicação entre sistemas conhecida como APIs (abreviação para Application Programming Interface, ou, em português, interface de programação de aplicação), parecido com o que o iPhone já faz hoje, para ajudar uma empresa a construir seu próprio metaverso e ter uma identidade consistente em todos os outros metaversos.

“Ganharemos em nossa estratégia se tivermos metaversos infinitos, ao invés de poucos ou de apenas um”, explica Kipman.

O Microsoft Mesh para o Teams nos oferece um vislumbre de como poderiam ser esses metaversos. Como principal parceiro, a Accenture tem integrado dezenas de milhares de novos funcionários durante a pandemia dentro de uma sede global virtual HQ global virtual (na verdade, a Accenture sequer tem uma sede global física). Os funcionários de RH passam dois dias aclimatando novos funcionários por meio de workshops interativos, que incluem conversas em salas de conferência comuns, mas também dinâmicas em formato de jogo para ensinar sobre fraudes de identidade e sobre os atributos essenciais que a Accenture busca nos líderes. Os novos funcionários podem até tirar fotos virtuais uns com os outros.

“Pode parecer piegas, mas as pessoas gostam”, diz Ellyn Shook, diretor de liderança e recursos humanos da Accenture. “É muito melhor do que estar nas equipes e ter um instrutor falando com você durante dois dias.”

Os espaços metaversos corporativos variam em tamanho e escopo, dependendo de quanto as empresas de desenvolvimento investem em seus imóveis digitais. O que será mais consistente na experiência é o lado do usuário: ou seja, como o seu próprio avatar vai interagir com esses metaversos. Nesse sentido, as regras de engajamento que a Microsoft está desenvolvendo para a maneira como você aparece no mundo virtual talvez sejam mais importantes do que o design desse mundo.

POR QUE USAR UM AVATAR?

A filosofia de ancoragem da Microsoft com o Mesh é que você pode aparecer não apenas como você é, mas como deseja ser. Conforme mencionado anteriormente, você poderá se conectar com o Teams com sua webcam ou seu telefone, como antes. Mas você também pode optar por aparecer como um avatar de desenho animado de sua própria autoria.

Se você estiver em uma chamada apenas de áudio, a Microsoft usará um software para traduzir suas palavras faladas em formatos de boca adequados. Este recurso também impulsiona gestos e expressões de acompanhamento. E se você tiver uma webcam disponível, a Microsoft pode usar esses dados para mapear suas expressões com maior precisão.

Minha primeira pergunta aos líderes da Microsoft foi: mas por que continuamos usando avatares que lembram desenhos animados em espaços virtuais? Eles são úteis? Ou esses personagens são um verniz sorridente que envolve a comunicação real?

Acontece que os desenhos animados têm várias funções importantes – especialmente para as pessoas que preferem não ficar na frente das câmeras o dia todo.

“Hoje, ao ingressar em uma reunião digital, as pessoas enfrentam uma escolha muito binária. Eles precisam escolher se ficarão com a câmera ligada ou desligada”, afirma Jared Spataro, vice-presidente corporativo da Microsoft 365 e do Teams. “Câmera ligada significa que você está na frente de todos e no centro dos olhares, as pessoas veem cada movimento seu. Câmera desligada significa que você quase não emite pistas sociais, e é difícil projetar a sensação de estar envolvido na reunião.”

Na verdade, todos nós nos perguntamos se aquele colega que está sem som com o vídeo desligado está realmente presente na reunião. O laboratório de fatores humanos da própria Microsoft testou esses extremos. Eles amarraram eletrodos para eletroencefalograma (EEGgs) na cabeça das pessoas e notaram que elas ficavam digitalmente exaustas ao aparecer no vídeo. Eles também descobriram que, quando elas usam um avatar, 70% das outras pessoas na reunião sentem que essa pessoa estava presente.

Para o nível de tecnologia gráfica que temos hoje, a escolha de um avatar de desenho animado é simplesmente a melhor opção que temos para apresentar um corpo humano em 3D, diz Kipman. Os avatares de desenho animado da Microsoft serão capazes de projetar sua própria linguagem corporal, mapeando seus movimentos através de uma webcam ou outros meios.

Os avatares são sofisticados o suficiente para imitar expressões faciais – e a Microsoft não quer mexer com isso. “Você precisa [ser] capaz de se representar de forma autêntica”, diz Kipman. “Isso inclui franzir a testa e ficar nervoso. A agência humana é importante porque, como uma construção empresarial e emocional, é importante que o avatar esteja representando você da maneira mais autêntica possível.”

Isso também é importante porque a Microsoft espera que você seja capaz de retirar seu avatar Mesh do Teams e levá-lo para o multiverso. As APIs de integração acomodam essa possibilidade e adaptam sua própria consistência de identidade com as regras e regulamentos que podem ser construídos em qualquer metaverso diferente que você visite.

Kipman imagina, por exemplo, que você (e seu avatar) poderão assistir a um show virtual em um domingo à noite e comprar uma camiseta do artista. Na manhã seguinte, seu avatar deve poder ir trabalhar no Teams vestindo aquela camiseta. Quer dizer, se isso for apropriado. Afinal, cada metaverso individual pode impor suas próprias regras.

“Se o metaverso do Departamento de Defesa dos Estados Unidos disser ‘não queremos camisetas do Mickey Mouse aparecendo, apenas uniformes’. . . da maneira como eles lidam com os dados hoje, eles podem proibir camisetas do Mickey Mouse em seu metaverso”, diz Kipman.

Talvez um código de vestimenta implementado pelo Departamento de Defesa não pareça tão interessante à primeira vista, mas Kipman explica que um metaverso com recomendação de classificação etária pode estabelecer regras e normas em torno de certas escolhas de avatares, garantindo que haja espaços seguros para famílias e adultos – um desafio que a internet de hoje não tem conseguido cumprir. É claro que o Mesh para o Microsoft Teams ainda está em desenvolvimento e que muitos de seus recursos ainda não foram detalhados. Mas o que está claro é que a Microsoft está tentando encontrar um equilíbrio entre uma autoexpressão sincera e uma regulamentação razoável. Pessoalmente, não estou totalmente convencido de que as reuniões em realidade aumentada vão vingar. Mas para mim, uma internet mais civilizada soa sempre como uma utopia muito bem-vinda.

SOBRE O AUTOR

Mark Wilson é redator sênior da Fast Company, que escreve sobre design, tecnologia e cultura há 15 anos.