Ouvir o canto de um pássaro pode despertar a curiosidade de saber qual espécie está emitindo o som. O Laboratório Cornell de Ornitologia pode ajudar a descobrir.  

O laboratório fez uma atualização de seu aplicativo para smartphone Merlin, projetado para observadores de pássaros amadores e experientes. Agora, o app oferece um recurso de IA chamado “Sound ID” que pode capturar sons de pássaros e compará-los com amostras de crowdsourcing para descobrir qual pássaro está emitindo aquele canto.

Desde o lançamento no final do mês passado, o recurso se tornou o mais popular do aplicativo (que também possui IA para identificar pássaros em fotos), e as pessoas já o utilizaram para detectar mais de um milhão de aves.

De acordo com Drew Weber, coordenador do projeto do Merlin, o número de novos usuários disparou 58% nas duas semanas anteriores ao lançamento do app, resultando em um alcance 44% maior em relação ao mesmo período do ano passado.

“Os usuários finalmente conseguem nomear os pássaros que viram ou ouviram antes, mas nunca puderam identificar, e estão muito animados com isso”, Weber escreve em um e-mail, explicando que muitas vezes é mais fácil obter uma boa amostra de áudio de um pássaro do que uma boa foto.

Grant Van Horn, engenheiro de pesquisa de projetos, explica que além de captar sons, o app conta com recursos avançados de reconhecimento de imagem. Ao gravar o canto dos pássaros, a melodia é transformada em um gráfico visual chamado espectrograma, semelhante a programas de edição de áudio. Em seguida, ele é analisado e comparado com o catálogo de sons de pássaros conhecidos, que são cadastrados pelo projeto de ciência cidadã eBird do Laboratório Cornell.

O objetivo é identificar muitas amostras de áudio sem gerar falsas identificações. Mas Van Horn afirma que alguns pássaros são mais fáceis de identificar do que outros.

“Alguns simplesmente não têm muita variação”, o pesquisador revela. “Outros pássaros são muito mais desafiadores, porque têm um repertório muito mais amplo que muda dinamicamente, e, na verdade, imitam os sons de outras aves.”

Gaios-azuis e cotovias que imitam os sons de outros pássaros são naturalmente mais difíceis de identificar de forma conclusiva. Para esses casos específicos de canto, o app dispõe de amostras adicionais e opções de confirmação com especialistas, que ajudam a classificá-los corretamente e adicionam as informações no training dataset.

O Merlin não é o único programa que funciona como uma espécie de Shazam dos pássaros, mas é totalmente gratuito e garante a privacidade dos usuários. Todo o processamento é feito nos dispositivos iOS ou Android dos observadores de aves, facilitando o funcionamento do app em caminhadas ou em outros lugares com sinal limitado (embora o usuário precise permitir que o app baixe os dados de sua região no primeiro uso). No futuro, o Laboratório Cornell tem planos para oferecer uma opção de compartilhamento das amostras com um servidor central. 

Atualmente, a equipe está trabalhando para aperfeiçoar ainda mais o modelo antes da próxima primavera, quando os observadores costumam frequentar parques e trilhas na esperança de identificar pássaros migratórios em seu voo para o norte. Um dos desafios será garantir que o app possa lidar com vários cantos sobrepostos, especialmente numa época em que os pássaros serão abundantes. 

Os designers do Merlin continuam aprimorando o reconhecimento das aves mais desafiadoras. Isso inclui uma espécie abundante na região de Ithaca, em Nova York. Van Horn acredita que o som se tornou tão comum no fundo das gravações de outros pássaros que a IA efetivamente aprendeu a desligá-lo.

“Leva muito tempo para o aplicativo fazer uma sugestão sobre melros de asa vermelha”, diz ele, “e isso é algo que continuarei repetindo e tentando melhorar”.

SOBRE O AUTOR

Steven Melendez é um jornalista independente que mora em New Orleans.