POR MICHAEL PRYOR

Quando a pandemia forçou empresas e escritórios a adotar o trabalho remoto, ferramentas como Dropbox, Zoom, Slack e Jira e Confluence, da Atlassian, possibilitaram a transição quase da noite para o dia. Essa mudança foi abrupta e apressada e agora estamos começando a perceber alguns de seus problemas. O próximo desafio é tentar replicar as interações e conexões humanas, com as quais estamos acostumados no mundo físico, em um ambiente digital. E o metaverso demonstra um grande potencial para isso.

Cada vez mais, trabalhamos com pessoas que nunca vimos ao vivo. Tudo o que sabemos sobre elas é através da foto do perfil e do plano de fundo no Zoom. As interações parecem um pouco estranhas e forçadas. Não existem mais as conversas casuais no almoço e nem happy hour para falar sobre a vida fora do trabalho. As ferramentas de chat podem até ajudar um pouco. Mas como tornaremos nossa equipe próxima e coesa se não conhecemos realmente as pessoas com quem trabalhamos?

Antes da pandemia, nossa equipe de mais de 100 pessoas se reunia anualmente em um resort. Passávamos a maior parte do tempo conversando, nos divertindo e conhecendo uns aos outros. Embora sempre tenhamos defendido o trabalho remoto, estes eventos foram fundamentais para criarmos um ambiente de confiança e camaradagem.

No começo, tentamos usar o Zoom para juntar de forma aleatória membros da equipe com o intuito de tentar replicar as conversas de almoço. Mas não tivemos muito sucesso. Então, testamos usar headsets de realidade virtual para jogar jogos de minigolfe e pôquer juntos. Certos recursos, como o áudio espacial e a natureza 3D do metaverso, tornaram a experiência “mais rica”. Fizemos disso nossa rotina semanal e, quase imediatamente, começamos a sentir uma conexão, o que nos ajudou a formar um vínculo mais forte com os novos colegas de equipe que nunca havíamos conhecido pessoalmente antes.

Eventos animados e descontraídos como este são essenciais no trabalho remoto porque facilitam e promovem a confiança e camaradagem nas equipes. Já para aquelas que não conseguem se reunir com a frequência que gostariam, o metaverso demonstra ser uma ótima opção.

Não dá para dizer que é tão divertido quanto o que costumávamos fazer nos anos anteriores, como tirolesa em uma floresta em Porto Rico ou andar de bote inflável em um lago na Geórgia, mas nossos encontros e torneios de golfe na realidade virtual nos ajudou imensamente a nos aproximar como equipe. Vendo o sucesso que tivemos, nossa empresa organizou uma festa online para todos seus colaboradores globais em um metaverso personalizado de Minecraft. Nós fazemos questão que nossos eventos virtuais sejam voluntários e que variem de tema e formato – eles vão desde aulas de culinária a jogos interativos – para que atendamos às preferências e gostos de cada um.

Um aplicativo no headset do Oculus permite que você trabalhe em seu computador real de casa e, ao mesmo tempo, esteja em uma sala virtual com seus colegas. Você pode inclusive, enquanto faz algo no computador, se virar para alguém e pedir que dê uma olhada no que está fazendo. Definitivamente, ainda é uma experiência de “software beta”, mas, com alguns ajustes técnicos futuros, ele poderá replicar de uma forma convincente o ambiente da vida real. Mesmo com esses recursos sendo aplicados em ferramentas que não são de realidade virtual (como o Zoom adicionando mais recursos de vídeo 3D ou usando microfones estéreo), ela está cada vez mais aproximando o trabalho remoto da sensação de estar trabalhando presencialmente.

Se você decidir experimentá-la com sua equipe, certifique-se de que todos tenham um headset confortável. A ergonomia contribui imensamente à experiência. No começo, organize eventos curtos, de apenas uma hora, já que leva um tempo para se acostumar com o metaverso. Você pode inclusive tentar introduzir isso em uma reunião de almoço virtual para apresentar às pessoas o contexto: almoçar juntos via Zoom e, então, mostrar a todos como jogar o jogo de minigolfe, por exemplo. Quando as pessoas já estiverem confortáveis com o headset, elas começarão a passar mais tempo juntas por conta própria – que é o que aconteceu em nossas equipes após nosso encontro da Trello.

Lembre-se de que fazer seus colegas de trabalho se sentirem como uma EQUIPE é o fator chave para o sucesso. Sempre incentive e dê espaço para que se relacionem e se divirtam juntos. Isso fará com que sua empresa se torne mais forte, mais criativa e até criará um ambiente profissional melhor para todos. Estamos torcendo para que possamos em breve voltar aos nossos encontros presenciais, talvez em uma praia paradisíaca no México, mas, até lá, o metaverso pode ser a solução que precisávamos.

Michael Pryor é líder e cofundador da Trello, Atlassian.