POR TOM CHAVEZ

O mundo da tecnologia está diante de uma nova fase de regulamentação. Desde as ordens do presidente Joe Biden para acelerar novas medidas antitruste no Congresso dos EUA, o momento de mudança emerge em Washington.  

Facebook e Google, empresas que chamo de “gorilas da tecnologia”, têm uma constante necessidade  de domínio. Elas usam seu tamanho e influência para operar como poderes soberanos para além da autoridade de qualquer governo. Mas a indústria da tecnologia estaria cometendo um grande erro se,  em vez de inovar e se auto-regulamentar, forçasse a ação do governo federal para definir limites. 

A maioria dos membros do Congresso carece de conhecimento técnico para instituir uma legislação eficaz. Isso não é surpresa — a tecnologia é complexa, rápida e possui linguagem e cultura próprias. Os senadores podem ser bem-intencionados, mas não faz mais sentido esperar que tracem todas as nuances da indústria da tecnologia, porque o processo regulatório move-se em velocidade analógica, enquanto a implantação e sofisticação da tecnologia acelera exponencialmente. Com muita frequência, a regulamentação resolve os problemas de ontem, não os de amanhã.

Atualmente, porém, a indústria da tecnologia — impulsionada por esses gorilas — está fazendo tão pouco para lidar com as consequências reais da violação de privacidade dos usuários, que o governo tem pouca escolha a não ser agir. Aqueles que acreditam na tecnologia deveriam tomar medidas para consertar as coisas antes que esses problemas sejam “consertados” para nós.

Isso não significa travar uma guerra contra toda e qualquer regulamentação. Regulamentações como a Dodd-Frank, por exemplo, tornaram nosso sistema financeiro mais forte e seguro para todas as partes interessadas, especialmente por exigir que os bancos preservem capital e liquidez suficientes para passar pelos “testes de estresse” exigidos pela lei. Os defensores do capitalismo desenfreado que fazem vista grossa para os gorilas da tecnologia por causa de seus serviços “gratuitos” são falsos profetas. No curso e na velocidade atuais, eles conduziriam a sociedade como um marisco que aproveita a água quente da panela antes de ferver até a morte.

Felizmente, não precisa ser assim. Podemos imperar sobre os excessos dos gorilas, fortalecer a competição para reformar o capitalismo e usar a tecnologia para isso.

A tecnologia pode quebrar barreiras sociais, aproximar as pessoas e acelerar enormemente o processo de transformar boas ideias em empresas, empregos e produtos. À medida em que emergimos da pandemia e enfrentamos novos desafios econômicos, a tecnologia também traz a promessa de possibilitar uma forma mais inclusiva de capitalismo, que funcione não apenas para os 0,1%, mas para os trabalhadores da classe média que sempre impulsionaram as economias.

Ao liberar o potencial democratizador da tecnologia, podemos criar uma nova estrutura em que a inovação ética — aquela que respeita a dignidade dos dados — venha em primeiro lugar.

Cada vez mais, as empresas entendem isso, vendo a privacidade em termos de valores e valor. Respeitar a privacidade das pessoas e distribuir os dados com responsabilidade também é bom para os negócios. Eu lidero uma corporação que ajuda as empresas a “programatizar” a privacidade dos usuários da mesma forma que o Google e o Facebook programam os servidores de compras de anúncios digitais. Nossos clientes estão percebendo que ao adotar políticas responsáveis ​​de privacidade e dados, eles podem estabelecer os bancos de dados necessários para expandir seus negócios enquanto continuamente expandem a confiança de seus usuários e parceiros. Neeva, uma empresa fundada e administrada por vários ex-engenheiros do Google, coloca a privacidade do consumidor em primeiro lugar e dá aos usuários o controle de onde e como seus dados são usados.

Também há muitos que estão inovando e construindo de forma a atender aos interesses de várias stakeholders, para fazer a tecnologia funcionar melhor para as pessoas, incluindo investidores e funcionários que buscam mudanças com o poder que possuem.

Os trabalhadores da tecnologia também estão encontrando sua voz exigindo cada vez mais reformas nas práticas de negócios, especialmente para combater os abusos de privacidade e a disseminação da desinformação. Conversando com líderes executivos, é constante a crítica sobre o domínio que algumas Big Techs têm sobre a infraestrutura online da qual seus negócios dependem para crescer e operar.

Para aqueles que se desesperam porque os gorilas da tecnologia ficaram tão grandes que não há como voltar atrás, a história nos diz o contrário. O poder dominador e incontrolado — quer estejamos falando sobre o reinado do rei George III nas colônias em 1776, a Standard Oil de Rockefeller em 1911 ou o Muro de Berlim em 1989 — pode desmoronar rápida e inesperadamente.

Podemos e devemos restringir as Big Tech, com Ethical Tech. É o caminho a seguir para capacitar pessoas a afirmarem seus direitos de uso de dados, recuperar o poder dos mercados competitivos e permitir que a inovação avance de forma protetora e produtiva para pessoas, empresas e governos.

SOBRE O AUTOR

Tom Chavez é CEO do estúdio de inicialização e empresa de risco {super} set .