As máquinas de pegar bichinhos – aquele clássico dos parques de diversão, shopping centers e hipermercados, em que você move uma garra mecânica para capturar algum prêmio – chegaram à internet.

Mas esse brinquedo eternizado pelo filme Toy Story não foi apenas transformado em jogo de videogame. Em vez disso, a Gigantic, empresa sediada em Israel, criou um aplicativo chamado Clawee, que permite aos jogadores controlar remotamente uma máquina real de pegar bichinhos e até mesmo receber em casa os prêmios coletados- embora a entrega possa levar várias semanas.

“Quando o usuário consegue agarrar um prêmio, ele é entregue em seu endereço”, diz o CEO Ron Brightman. “Isso realmente fecha o ciclo entre o digital e o real.”

(Crédito: Cortesia da Clawee)

A experiência do mundo real, em que os jogadores podem agarrar objetos como bichos de pelúcia, brinquedos, bijuterias ou livros para colorir clicando em botões digitais na tela do telefone, é muito mais emocionante do que simplesmente jogar um videogame, diz Brightman. A empresa começou usando máquinas de pegar bichinhos já existentes e, em seguida, começou a construir suas próprias máquinas, com várias câmeras acopladas para que os jogadores possam ver de diversos ângulos o que estão fazendo, enquanto aperfeiçoam suas habilidades. Agora, a Gigantic tem centenas dessas máquinas em um depósito equipado com linhas de internet de alta velocidade e funcionários treinados para mantê-las funcionando 24 horas.

Como acontece com os jogos de videogame mais tradicionais, alguns jogadores de Clawee também gostam de assistir aos outros jogarem, seja para relaxar ou para aprender o funcionamento do jogo. Na verdade, como o número de máquinas disponíveis é necessariamente limitado, é normal as pessoas esperarem na fila do Clawee e, nesse meio tempo, assistirem e torcerem por um jogador (ou contra ele).

(Crédito: Cortesia da Clawee)

“O que descobrimos é que os jogadores adoram ver alguém na frente deles operando a máquina, desde que essa espera não seja muito demorada”, diz Brightman. “Eles também gostam que os outros os assistam enquanto estão jogando.”

O jogo criou um público fiel que Brightman estima que seja majoritariamente composto por mulheres (cerca de 70%). Esse público se reúne em um grupo oficial sancionado no Facebook, onde os jogadores trocam dicas sobre como agarrar os prêmios, sobre como ganhar brindes patrocinados pela Gigantic ou como trocar os prêmios que ganharam no jogo.

(Crédito: Cortesia da Clawee)

“Eu sou um dos contatos com quem os representantes de lá conversam”, diz a administradora do grupo do Facebook, Krista Brenner, que mora em Illinois. Ela começou a brincar de Clawee depois de deixar o emprego como enfermeira devido a problemas de saúde do seu filho. “Eles querem consultar que tipo de prêmios gostaríamos de ver nas máquinas.”

Os membros do grupo do Facebook se conhecem por lá e às vezes têm conversas mais pessoais pelo Messenger, ao mesmo tempo em que usam a rede social para explicar aos novatos no Clawee como pegar alguns dos brinquedos mais complicados.

“Os novatos dizem sempre que estão frustrados e que não estão ganhando nada. Eles não entendem”, diz Brenner, que se lembra de ser excelente em máquinas de pegar bichinhos quando criança. “Existem certas máquinas com bolas azuis, por exemplo, que demandam uma maneira específica de pegá-las e, se você não fizer dessa exata maneira, as bolas sempre cairão.”

Há várias maneiras de ganhar tokens virtuais para jogar nas máquinas, como participando de sorteios ou simplesmente fazendo login no aplicativo regularmente. Tal como acontece com muitos jogos online que usam a estratégia freemium, os jogadores também podem comprar tokens adicionais com dinheiro de verdade, se quiserem. Existe também um modo VIP, que é desbloqueado se o jogador fizer determinadas compras dentro do jogo, e que traz como vantagem frete grátis para envio dos prêmios. Se você não for sorteado com brindes, pode comprar os tokens de que precisa por no mínimo 3 dólares, havendo descontos para compras em grandes quantidades. Tal como acontece com muitos outros jogos para celular nesse modelo freemium, a empresa projetou toda a experiência para incentivar os jogadores a fazer mais compras dentro do aplicativo, e geralmente essa é a maneira mais fácil de jogar mais uma rodada se você já esgotou seus créditos disponíveis.

http://https://youtu.be/B43NR4fTOYE

Alguns gostam especialmente de colecionar os mais variados prêmios, dos quais Clawee relata ter entregado mais de 2,8 milhões desde seu lançamento em 2017. “Quando os prêmios chegam à nossa casa, é quase como se fosse Natal”, compara Heather Guess, moradora da Virgínia e fã de Clawee, que se tornou amiga de Brenner por meio do grupo no Facebook.

Outros, incluindo alguns dos jogadores mais ávidos, se interessam mais pela emoção do jogo e, em vez e ficar com os prêmios, trocam suas vitórias por mais créditos para partidas.

(Crédito: Cortesia da Clawee)

“Quanto mais os jogadores jogam, maior a porcentagem de prêmios que eles trocam”, diz Brightman, estimando que muitos dos que já jogam há vários meses costumam trocar mais de 90% de seus ganhos. Alguns, incluindo Guess e Brenner, também doam parte dos prêmios para instituições de caridade.

Uma vez que o jogo distribui apenas prêmios, e não dinheiro real, e como ele teoricamente envolve habilidade e técnica, em vez de pura sorte (embora isso provavelmente seja mais verdadeiro dentre os jogadores experientes), ele geralmente não é regido pelas mesmas leis dos jogos de azar. Apesar disso, Brightman diz que a empresa contrata aconselhamento jurídico antes de introduzir o aplicativo em novos países.

Como outras empresas de entretenimento virtual, a Gigantic teve muito sucesso durante o período de isolamento por causa do coronavírus: a empresa informa que sua receita cresceu 400% somente neste ano e que tem registrado diariamente 50.000 novas instalações do seu aplicativo. A Gigantic também oferece outros jogos no aplicativo, incluindo minigolfe, arremessos de basquete e futebol. “Com base nesses jogos que usam mecanismos semelhantes aos do Clawee, planejamos desenvolver uma experiência de usuário que apresentará cada um desses jogos separadamente”, diz ele.

(Crédito: Cortesia da Clawee)

A empresa também acaba de adquirir uma pista de boliche física e está trabalhando no desenvolvimento de jogos que serão ambientados lá, diz Brightman. Outro jogo que possivelmente existirá no futuro é um tanque de imersão real, controlado remotamente, com uma pessoa de verdade sendo mergulhada na água.

O Clawed também deve lançar jogos de basquete e de tiro ao alvo, mais voltados para a competição entre jogadores do que para a disputa por prêmios, e Brightman espera que isso atraia mais jogadores homens. Parte do apelo de todos os jogos, diz ele, é o fator retrô, já que muitas pessoas cresceram jogando em fliperamas e frequentando lojas e parques de diversões do mundo real.

“Esses jogos são nostálgicos de certa forma”, diz ele. “Todo mundo já brincou disso pelo menos uma vez na vida.”

SOBRE O AUTOR

Drew Cattanach, Palestrante sobre Desenvolvimento de Jogos de Computador, Universidade de Westminster. Este artigo foi republicado do The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.