POR KIM PERRELL

As desculpas que damos para nós mesmos são perigosas. A longa lista de razões que você pode elencar para justificar seus medos e para “se proteger” dos riscos pode envenenar lentamente os seus sonhos. Mas se você aprender a se esquivar dessas desculpas sempre que elas surgirem, logo será capaz de se livrar também dos medos que elas representam.

Vamos examinar quatro das maiores desculpas que as pessoas costumam dar para si mesmas quando estão com medo de intentar um passo maior.

1. “TENHO MEDO DE UM FRACASSO.”

Essa é a razão número um pela qual as pessoas hesitam em se superar. Mas vou contar um segredo: o fracasso é inevitável. Aprendi isso muito cedo. Quando eu era pequena, meu pai sempre me perguntava: “Qual foi a pior coisa que aconteceu com você hoje?” É algo estranho de se perguntar a uma criança, mas ele fazia isso por um motivo. Ele estava construindo minha resiliência e me tornando mais forte. Eu contava a ele o meu último fracasso humilhante, e ele me contava o dele.

“O meu é muito pior do que o seu, Kim. Espera para ouvir o que aconteceu comigo hoje.”

Minha família competia, na brincadeira, para ver quem tinha o pior fracasso. Normalizamos o fracasso e desenvolvemos uma tolerância a ele, porque isso tirou seu poder de mistério. Normalizá-lo tornou a falha em potencial menos assustadora.

Décadas depois, liguei para meu pai para contar um dos meus últimos contratempos. Eu fechei um grande negócio global, que traria à minha empresa dinheiro suficiente para operar por um ano inteiro e, ao mesmo tempo, um dos meus principais funcionários de longa data, o engenheiro de que precisávamos para construir o contrato que tínhamos acabado de fechar, pediu demissão. Como eu iria cumprir o contrato sem ele? Como eu poderia fazer qualquer coisa sem ele? Todo o negócio dependia de ter um líder de engenharia competente, e eu estava acabando de perder o meu. Eu tinha certeza de que esse meu fracasso não poderia ser superado pelo de mais ninguém. Dessa vez, não tem como o meu pai superar o meu fracasso, pensei comigo mesma. Mas ele provou que eu estava enganada.

Ele disse: “Boa tentativa, filha. Seu problema é difícil mesmo, mas eu tenho um maior” disse ele. “Não consegui cumprir a folha de pagamento dos meus funcionários ontem. Na verdade, eu estava prestes a te ligar para pedir um empréstimo.”

Evidentemente, o problema dele derrotou o meu. No entanto, ele não deixou esse fracasso – ou qualquer outro que enfrentou ao longo de sua carreira – impedi-lo. Eu lhe dei o empréstimo, ele pagou a folha de pagamento e colocou seu negócio de volta nos trilhos.

O que aprendi com meu pai? O fracasso dói. Profundamente. O fracasso é inevitável. Você não pode pará-lo. O fracasso vai te derrubar. Mas quando você é derrubado, você tem que se levantar e continuar.

2. “NÃO TENHO TEMPO SUFICIENTE.”

Meu pai sempre acreditou que oito horas representavam somente a metade de um dia de trabalho. Enquanto eu crescia, quando eu voltava da escola, ele perguntava: “O que você vai fazer pelo resto do dia?” (O que, na linguagem do pai, significava “arrume um emprego!”) Eu trabalhei em uma pizzaria, colocando coberturas em tortas e lavando pratos. Trabalhei em uma doceria de bairro. Dobrei camisas e arrumei o estoque na The Gap. Vendi ternos na Nordstrom. Ainda bem jovem, trilhei meu caminho ladeira acima no mundo do trabalho, sempre depois da escola. Não ter tempo suficiente foi uma desculpa que meu pai deletou antes que eu pudesse usar.

Se você passar oito horas dormindo e oito horas trabalhando, ainda terá oito horas de oportunidade. O que você está fazendo durante suas oito horas de liberdade? Mesmo se você perder duas horas para atividades como exercícios, cozinhar e outras tarefas, ainda terá seis horas livres! Cuidar de uma família requer tempo. Eu entendo isso, porque eu mesma tenho quatro filhos, então preciso acordar cedo e continuar trabalhando depois que eles vão dormir. Ter que se desdobrar entre duas funções para pagar as contas requer tempo, então, se você estiver nessa mesma situação, precisará ser muito criativo para maximizar suas horas e ganhos. Mas se você, como muita gente, passa suas oito horas livres assistindo TV, jogando videogame ou navegando nas redes sociais, então pode perfeitamente priorizar esse tempo para se concentrar em seu objetivo.

Comece aos pouquinhos. Dedique 30 minutos por dia ou algumas noites por semana para trabalhar na direção de alcançar seus objetivos de longo prazo e para se preparar para passos maiores. Você ficará surpreso com a rapidez com que esse tempo rende … e provavelmente vai querer fazê-lo render ainda mais! Apenas aproveite essas oito horas de oportunidade o máximo que puder, de acordo com as suas responsabilidades e restrições.

3. “EU NÃO TENHO DINHEIRO SUFICIENTE.”

Essa é uma desculpa que surge com frequência quando converso com aspirantes a empreendedores. Minha tendência é recuar, perguntando: “Para que você precisa desse dinheiro?” Uma coisa é se você está planejando lançar um restaurante ou uma linha de produtos e precisa de capital para suprimentos, ingredientes, aluguel ou custos de produção. Mas em uma época em que muitos negócios podem ser administrados inteiramente online, você pode lançar algo novo com apenas algumas centenas de dólares em sua conta bancária. Comece fazendo marketing por meio da mídia social, trocando serviços com amigos para colocar sua infraestrutura e site em funcionamento e lidando com o máximo do trabalho inicial que for humanamente possível.

Claro, eu sou fortemente a favor de economizar dinheiro! Se poupar sempre foi um desafio para você, enfrente-o exatamente como fez para encontrar mais tempo: lenta e consistentemente. Reserve US$ 10 por semana ou 5% do contracheque ou qualquer quantia com a qual você possa se comprometer continuamente. Crie uma conta poupança separada para esse dinheiro, de modo que não fique tentado a usá-lo em outras despesas e observe o saldo crescer.

Você pode fazer tudo isso paralelamente, enquanto trabalha em tempo integral. Faça as coisas devagar, seja paciente e, quando o movimento lateral estiver gerando receita suficiente, você poderá dar o seu grande passo!

4. “EU NÃO TENHO EXPERIÊNCIA SUFICIENTE.”

Acredite nas palavras de alguém que lançou uma empresa de publicidade online da mesa da cozinha, depois de apenas alguns anos no mercado de trabalho: essa não é uma boa desculpa. Vivemos em uma época em que há recursos ilimitados para ajudá-lo a obter as habilidades e a experiência de que precisa. A internet oferece respostas, cursos e grupos online para ajudá-lo a preencher as lacunas de sua experiência. Some isso ao hábito de pedir conselhos a mentores, amigos e colegas de trabalho. Todo mundo tem que começar de algum lugar, então não deixe a falta de experiência impedi-lo.

Certa vez, Jenny Lawson, autora de best-sellers pela lista do New York Times, contou  uma história sobre a gravação da versão em áudio de seu primeiro livro, Let’s Pretend This Never Happened, e o que a fez continuar, apesar da inexperiência:

“Dava para ouvir o tremor em minha voz a cada palavra. Pedi licença para pegar uma bebida, mas me escondi para enviar um e-mail para meu amigo Neil Gaiman, perguntando como ele tinha conseguido gravar tantos de seus livros e ainda fazer com que eles soassem tão naturais. A resposta dele veio quase imediatamente: ‘finja que você é boa nisso.’”

SOBRE A AUTORA

Kim Perrell é empreendedora, investidora, fundadora e CEO da 100.co, onde segue sua missão de reinventar como as marcas de consumo são criadas, fazendo uso da inteligência artificial. Kim já foi nomeada uma das “Pioneiras de Tecnologia de Marketing” pela AdAge, uma das “Mulheres Mais Poderosas em Publicidade Móvel” pela da Business Insider e “Empreendedora do Ano” pela National Association of Female Executives.