POR CLINT RAINEY

Quer negociar bitcoins? Agora há um ETF, ou fundo negociado em bolsa, para isso. Um dos principais fornecedores de ETFs – ProShares – lançou um novo fundo na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) vinculado a contratos futuros de bitcoin. Isso parece interessante, mas talvez também confuso. Aqui vai uma introdução rápida com o que você precisa saber:

 

UM GRANDE FEITO PARA A INDÚSTRIA

Isso encerra um esforço de quase uma década de negociar criptomoedas de forma legitima. A pressão de ter fundo negociado em bolsa (ETF, na sigla em inglês) começou especificamente em 2013 e, durante esses oito anos, traders mais ansiosos viram a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), órgão que regula o mercado financeiro, rejeitar vários pedidos.

“2021 será lembrado por este marco”, disse o CEO da ProShares, Michael Sapir. Para os investidores que ainda estão na dúvida quanto a entrar no mercado ainda não regulamentado de criptomoedas, ele acrescenta que sua empresa está oferendo um “acesso conveniente ao bitcoin com integridade de mercado”.

 

AS PESSOAS FINALMENTE VÃO PODER NEGOCIAR BITCOINS EM UM MERCADO REGULADO?

Na verdade, não — ainda não. Na prática, essa salvaguarda é provavelmente uma das razões pelas quais a SEC não rejeitou a aplicação do fundo e, de acordo com a ProShares, esse é o seu diferencial: ela dá aos investidores acesso ao bitcoin sem que eles tenham que reter a criptomoeda diretamente. Especialistas sugeriram que a SEC deve permitir as negociações de bitcoins se for organizada dessa forma, com base em futuros (apostas em flutuações de preço, sem utilizar a própria criptomoeda) e com a segurança de um mercado regulamentado. Ironicamente, a SEC não anunciou oficialmente o ETF da ProShares, mas o New York Times relata que seu prospecto “não encontrou oposição antes do prazo final”, o que significa que o fundo está pronto para ser lançado amanhã na NYSE, sob o ticker $BITO.

 

EXISTEM RISCOS ASSOCIADOS À NEGOCIAÇÃO DE FUTUROS DE BITCOIN?

Alguns apoiadores da criptomoeda, que desejam negociar bitcoins de forma direta, certamente acreditam que sim. Eles dizem que isso acabará criando custos extras que serão repassados ao usuário final – custos estes que poderiam ser evitados usando o cash market (mercado à vista) que é o oposto do mercado futuro. Os futuros são derivativos projetados para dar aos investidores a possibilidade de comprar uma commodity sem possuí-la imediatamente. Mas seus contratos expiram a cada mês, o que significa que devem ser recomprados, algo que aumentará os custos de administração do fundo e que geralmente são repassados ao usuário final. Como o ETF rastreará contratos futuros, que possuem preço atual de ativo diferente, o preço do fundo de investimento em bolsa da ProShares não será igual ao do bitcoin. (Ela teve que atrelar o preço dos futuros a uma bolsa de valores e optou pela Bolsa Mercantil de Chicago.) Alguns especialistas alertam que esta diferença pode fazer com que os fundos da ProShares sejam negociados como premium, em um mercado otimista, e com desconto, em um mercado com tendência de baixa. Isso pode fazer com que o ETF seja melhor para investimentos de curto prazo.

 

EM QUE ISSO AFETA O PREÇO DO BITCOIN?

O preço do bitcoin subiu para mais de US$ 60.000 com as recentes notícias. Nos próximos meses, espera-se que empresas mais tradicionais sigam os passos da ProShares e ofereçam seus próprios ETFs criptográficos como futuros – provedores de fundos como Valkyrie Investments, VanEck e Invesco já têm suas próprias versões e estão só aguardando o sinal verde da SEC.

 

O QUE MAIS HÁ PARA SABER?

De acordo com um informativo da ProShares, o fundo começou, no dia 15 de outubro, com um preço de US$ 40 por ação.

SOBRE O AUTOR

Clint Rainey é jornalista freelancer colaborador da Fast Company.