POR ELISSAVETA M. BRANDON

Você sabe o quão longe os produtos em sua geladeira viajaram para chegar até sua casa? Acabei de verificar que meus mirtilos vieram do Peru e minhas uvas rosas vieram da Califórnia.

O fato de minha geladeira parecer mais estrangeira do que local é o resultado direto de comprar produtos em grandes supermercados. A alface cultivada no vale de San Joaquin, na Califórnia, viajará cerca de 2,2 mil km para chegar aos supermercados em Des Moines, Iowa. E as uvas do Chile viajarão mais de 11 mil km — em um navio, depois em um caminhão — para chegar ao mesmo destino.

(Crédito:80 Acres)

Tudo isso tem um preço. Apenas 60% dos alimentos cultivados nos Estados Unidos chegam aos pratos. Parte apodrece no campo, parte dos produtos perecíveis acaba estragando no trânsito e parte acaba nas prateleiras. O valor nutricional também sofre um golpe: os vegetais podem perder entre 15 e 77% de sua vitamina C em uma semana após a colheita.

(Crédito:80 Acres)

A 80 Acres Farms, uma startup de agricultura vertical com sede em Cincinnati,  envia seus produtos apenas dentro de um raio de 80 a 160 km de distância de suas fazendas. No início deste ano, a startup fez parceria com a Kroger, gigante do varejo dos Estados Unidos (também com sede em Cincinnati). Suas verduras e produtos agora estão disponíveis em mais de 300 supermercados Kroger em Ohio, Indiana e Kentucky. 

Pode parecer contraintuitivo para uma empresa restringir suas vendas a uma região específica, mas a 80 Acres Farms está apostando que alimentos produzidos localmente e distribuídos localmente podem ajudar a eliminar o desperdício de alimentos em todo o país, bastando construir fazendas suficientes para atender à crescente demanda.

Tisha Livingston e Mike Zelkind começaram a 80 Acres Farms em 2015, com uma única fazenda vertical em uma pequena instalação fora de Cincinnati que poderia produzir 80 hectares de frutas e vegetais. Desde então, a empresa cresceu para oito fazendas, a maioria delas em Ohio. Cada fazenda usa 97% menos água do que a agricultura tradicional, já que as plantações crescem sem solo, chuva ou luz solar. A 80 Acres Farms não usam pesticidas ou OGM, e suas fazendas funcionam inteiramente com energia renovável.

Mike Zelkind, CEO da 80 Acres (crédito: 80 Acres)

80 Acres Farms não é a única fazenda vertical, nem é a primeira a colocar esse foco em alimentos cultivados localmente. Na cidade de Nova York, por exemplo, a empresa de agricultura urbana local Gotham Greens agora administra três estufas no telhado (duas no Brooklyn, uma no Queens). Essas instalações cultivam produtos sem pesticidas que são distribuídos a várias lojas da Whole Foods em toda a cidade. 

Na verdade, cerca de 25% dos produtos vendidos nas lojas da Whole Foods vêm de fazendas locais. E embora o mesmo não possa ser dito da Kroger, uma parceria com a 80 Acres Farms certamente traz perspectivas positivas.

(Crédito:80 Acres)

Este ano, a 80 Acres abriram sua maior fazenda até hoje. Estendendo-se por 6.500 m2 em Cincinnati, pode cultivar dez milhões de porções de produtos por ano, aumentando a produção da empresa em mais de cinco vezes. Neste verão, a empresa também garantiu US$ 160 milhões em financiamento, que os fundadores usarão para diversificar suas safras e construir mais fazendas. “Uma fazenda por si só não adianta nada”, diz Mike Zelkind, o CEO da empresa, sugerindo que seria necessária uma rede de fazendas para fazer uma diferença real.

Por enquanto, a 80 Acres Farms atende apenas sua região imediata. “Escalamos hiperlocalmente”, diz Zelkind. Por alguns meses, no início da pandemia, a 80 Acres Farms instalou uma fazenda de tomate fora do museu Guggenheim, em Manhattan (como um suplemento a uma exposição dedicada ao campo). Crescendo em um contêiner de transporte com iluminação rosa na praça, cerca de 3 mil tomates eram colhidos todas as quartas-feiras e doados à maior organização de resgate de alimentos da cidade de Nova York, a City Harvest.

“As cadeias de suprimento de alimentos hoje são muito boas, mas são otimizadas para uma variável, e essa variável é o custo”, afirma Zelkind. “Podemos conseguir comida em quase qualquer lugar, mas não se leva nutrição para muitos desses bairros”. (A empresa usa automação, robótica e aprendizado de máquina para ajudar a monitorar cada estágio de crescimento, bem como luz, água, nutrientes e fluxo de ar necessários para produzir alimentos nutritivos.)

(Crédito:80 Acres)

Antes de fazer parceria com a Kroger, a empresa costumava enviar uma pequena frota de caminhões para toda a região, entregando produtos em cada loja que atendia. Agora, eles estão entregando para centros de distribuição próximos, onde seus produtos estão circulando em caminhões, “aumentando nosso público sem aumentar nossa pegada de carbono”, como diz Zelkind.

Todo o processo, desde a colheita até o momento em que chega às prateleiras, leva cerca de 48 horas. Parte disso se deve à distribuição local da empresa, mas também todas as etapas do negócio, da semeadura à colheita e ao empacotamento, cabem sob o mesmo teto. “Estamos vendendo um produto altamente perecível e, quanto mais rápido chegarmos aos consumidores, mais fresco e nutritivo ele será e mais durará na casa dos consumidores”, explica.

Por enquanto, a 80 Acres cultiva misturas de salada, microgreens, tomates e ervas. Zoe Plakias, professora assistente de economia agrícola ambiental e de desenvolvimento da Universidade Estadual de Ohio, explica que nenhum desses produtos é cultivado em escala em Ohio, onde a política alimentar está mais focada em safras de commodities como milho e soja. “Se você é um consumidor em Ohio que vai para Kroger, está obtendo seus produtos frescos de outro lugar, não de Ohio”, ela diz.

(Crédito:80 Acres)

Exceto agora, a parceria com a 80 Acres Farms significa que a Kroger pode entregar produtos frescos plantados localmente que foram cultivados de forma sustentável e que podem crescer durante todo o ano porque são cultivados em ambientes internos. “Tudo o que você puder fazer para estender a temporada será muito valorizado”, explica Plakias.

A parceria contribui para o projeto “Fome Zero” ou “Zero Waste”, iniciativa que visa pôr fim à fome em comunidades locais e eliminar todos os resíduos da empresa até 2025. Ele já diminuiu a quantidade de resíduos de alimentos produzidos por lojas por mais de 7% (que é mais de 40 milhões de quilos de alimentos salvos.)

Há outro ponto, também: é o fato de a comida local ser mais valorizada. “Há evidências econômicas de que os consumidores pagarão um preço mais alto pelos alimentos que sabem serem produzidos localmente”, diz Plakias. “Isso cria incentivos para os produtores produzirem para os mercados locais e para os varejistas venderem produtos produzidos localmente.” (Isso não quer dizer que cultivar localmente seja necessariamente mais barato.)

Em última análise, há benefícios ambientais em produzir para os mercados locais, mas para Plakias, tudo depende de como os recursos são usados, o que está sendo cultivado e o que está substituindo nas cestas de compras dos consumidores. “Algo produzido localmente não é necessariamente produzido de forma sustentável”, diz. “Toda a produção de alimentos é local para alguém.”

No caso da 80 Acres Farms, a produção é local para o Meio-Oeste norte-americano e assim permanecerá até que a empresa expanda sua presença (embora os locais sejam orientados por pesquisas de mercado, ainda não está claro para onde vai expandir). “Se construíssemos fazendas 10 vezes maiores que nosso modelo de referência, ainda assim não estaríamos atendendo a demanda do consumidor por alimentos frescos”, diz Zelkind. “O que podemos fazer é construir fazendas em cada comunidade, tornando os produtos locais acessíveis a todos, durante todo o ano.”

SOBRE A AUTORA

Elissaveta M. Brandon é colaboradora da Fast Company.